França, Alemanha, Itália e Espanha defendem UE a várias velocidades

"A unidade não é a uniformidade", disse François Hollande, depois do encontro com a chanceler alemã, Angela Merkel, e os primeiros-ministros espanhol, Mariano Rajoy, e italiano, Paolo Gentiloni

Os líderes francês, alemão, espanhol e italiano defenderam hoje, depois de um encontro em Versalhes, perto de Paris, uma Europa a várias velocidades, que permita que os Estados-membros da União Europeia avancem mais rapidamente que outros.

"A unidade não é a uniformidade", disse François Hollande, depois do encontro com a chanceler alemã, Angela Merkel, e os primeiros-ministros espanhol, Mariano Rajoy, e italiano, Paolo Gentiloni.

Numa declaração conjunta, François Hollande disse que defende "novas formas de cooperação, para novos projetos", ou seja, uma "cooperação diferenciada".

Com a cooperação diferenciada, segundo François Hollande, "alguns países" podem "ir mais rápido" em "áreas como a defesa, euro ou através do aprofundamento da união económica e monetária, como a harmonização fiscal e social, ou na cultura e juventude".

Para Angela Merkel, os europeus devem "ter a coragem de aceitar de que alguns países possam ir mais rápido do que outros", sem fechar as possibilidades para os que estão mais atrasados.

"Mas precisamos de avançar", insistiu.

O líder italiano defendeu mais integração europeia, mas "com diferentes níveis de integração".

O primeiro-ministro espanhol também defendeu uma União Europeia a várias velocidades, sublinhando que Espanha quer "ir mais longe" na integração.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...