França, Alemanha, Itália e Espanha defendem UE a várias velocidades

"A unidade não é a uniformidade", disse François Hollande, depois do encontro com a chanceler alemã, Angela Merkel, e os primeiros-ministros espanhol, Mariano Rajoy, e italiano, Paolo Gentiloni

Os líderes francês, alemão, espanhol e italiano defenderam hoje, depois de um encontro em Versalhes, perto de Paris, uma Europa a várias velocidades, que permita que os Estados-membros da União Europeia avancem mais rapidamente que outros.

"A unidade não é a uniformidade", disse François Hollande, depois do encontro com a chanceler alemã, Angela Merkel, e os primeiros-ministros espanhol, Mariano Rajoy, e italiano, Paolo Gentiloni.

Numa declaração conjunta, François Hollande disse que defende "novas formas de cooperação, para novos projetos", ou seja, uma "cooperação diferenciada".

Com a cooperação diferenciada, segundo François Hollande, "alguns países" podem "ir mais rápido" em "áreas como a defesa, euro ou através do aprofundamento da união económica e monetária, como a harmonização fiscal e social, ou na cultura e juventude".

Para Angela Merkel, os europeus devem "ter a coragem de aceitar de que alguns países possam ir mais rápido do que outros", sem fechar as possibilidades para os que estão mais atrasados.

"Mas precisamos de avançar", insistiu.

O líder italiano defendeu mais integração europeia, mas "com diferentes níveis de integração".

O primeiro-ministro espanhol também defendeu uma União Europeia a várias velocidades, sublinhando que Espanha quer "ir mais longe" na integração.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.