França, Alemanha, Itália e Espanha defendem UE a várias velocidades

"A unidade não é a uniformidade", disse François Hollande, depois do encontro com a chanceler alemã, Angela Merkel, e os primeiros-ministros espanhol, Mariano Rajoy, e italiano, Paolo Gentiloni

Os líderes francês, alemão, espanhol e italiano defenderam hoje, depois de um encontro em Versalhes, perto de Paris, uma Europa a várias velocidades, que permita que os Estados-membros da União Europeia avancem mais rapidamente que outros.

"A unidade não é a uniformidade", disse François Hollande, depois do encontro com a chanceler alemã, Angela Merkel, e os primeiros-ministros espanhol, Mariano Rajoy, e italiano, Paolo Gentiloni.

Numa declaração conjunta, François Hollande disse que defende "novas formas de cooperação, para novos projetos", ou seja, uma "cooperação diferenciada".

Com a cooperação diferenciada, segundo François Hollande, "alguns países" podem "ir mais rápido" em "áreas como a defesa, euro ou através do aprofundamento da união económica e monetária, como a harmonização fiscal e social, ou na cultura e juventude".

Para Angela Merkel, os europeus devem "ter a coragem de aceitar de que alguns países possam ir mais rápido do que outros", sem fechar as possibilidades para os que estão mais atrasados.

"Mas precisamos de avançar", insistiu.

O líder italiano defendeu mais integração europeia, mas "com diferentes níveis de integração".

O primeiro-ministro espanhol também defendeu uma União Europeia a várias velocidades, sublinhando que Espanha quer "ir mais longe" na integração.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).