Fotos no Instagram traem jovem que acaba condenada a oito anos por tráfico de droga

Melina Roberge aceitou ser mula de droga para fazer uma viagem à volta do mundo num cruzeiro e partilhar fotos maravilhosas das suas aventuras intercontinentais no Instagram.

Era uma viagem de sonho, mas o destino acabou por ser dramático para três canadianos que tentaram transportar droga para a Austrália, num cruzeiro, segundo noticia o The Guardian .

Melina Roberge, de 24 anos, uma instagrammer de sucesso, foi condenada a oito anos de prisão efetiva, depois de ter sido apanhada com 35 quilos de cocaína em sua posse, durante a viagem que ligava Inglaterra a Austrália.

"A jovem tinha tanta droga que não tinha muito espaço na bagagem para roupa interior ou escovas de dente extras", disseram as autoridades citadas pelo Washington Post .

Esta foi a maior apreensão de drogas que a Austrália já teve num barco comercial ou avião.

Com ela estava a amiga Isabelle Lagacé, de 29 anos, que foi presa em novembro por sete anos e meio, e Andre Tamine, de 64 anos, que ainda espera a acusação.

Ao todo, a 'Cocaine Baby' e o 'Sugar Daddy' - alcunhas que ganharam Melina e Tamine graças a esta apreensão - tinham consigo 21 milhões de dólares, aproximadamente 17 milhões de euros, em cocaína nas cabines do navio, quando em agosto de 2016 a polícia entrou no barco depois deste atracar em Sidney.

O que alertou as autoridades? As fotos de sonho que Melina foi partilhando no seu Instagram pessoal, entretanto desativado.

A canadiana foi presente a tribunal esta quarta-feira e ouviu a acusação dizer que este é um exemplo perfeito do que as redes sociais fazem à juventude, que hoje vive pela aceitação dos seus pares através de gostos em plataformas como o Instagram, o Facebook ou Twitter.

"Ela foi seduzida pelo estilo de vida, pelos destinos exóticos e pela oportunidade de publicar fotos glamorosas no Instagram", disse a acusação na Corte Distrital de Nova Gales do Sul. "Ela queria ser a inveja dos outros. Agora dúvido que seja agora."

De facto, antes de embarcar nesta aventura - que aconteceu a convite de Tamine, que ela conhecera em 2015 quando trabalhava como acompanhante - ela escreveu no seu Instagram:

"Viajar é uma coisa. Mas viajar com a mente aberta, pronto para provar tudo, ver tudo, aprender tudo e sair da sua zona de conforto... É provavelmente a melhor terapia e lição de sempre. Eu costumava ter medo de sair da minha pequena cidade e agora sinto que não quero mais ver aquela pequena cidade porque é bonita lá fora e vale a pena."

Assim, era impossível dizer que não à possibilidade de viajar a bordo do Sea Princess MS, um cruzeiro que atracou em 17 portos e 11 países antes de chegar a Sydney, ganhando dinheiro como mula e aproveitando para pintar o seu Instagram com fotos maravilhosas sobre aventuras intercontinentais, que iriam reverter-se em mais gostos e, consequentemente, em mais dinheiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.