Forte explosão numa padaria em Paris faz pelo menos 4 mortos

Explosão esta manhã na capital francesa provoca quatro mortos e cerca de 30 feridos.

Quatro pessoas, entre as quais dois bombeiros morreram este sábado na sequência de uma forte explosão que aconteceu antes das 9:00 da manhã, numa padaria no 9.º bairro de Paris, capital de França. Há ainda pele menos 30 pessoas feridas devido à explosão que provocou danos nos edifícios e destruiu montras nas redondezas, segundo a polícia e jornalistas da agência France-Presse presentes no local.

Entre as vítimas, há pelo menos 8 feridos graves, escreve o jornal Le Figaro. Segundo várias fontes, os bombeiros já estavam no local a combater as chamas quando ocorreu a explosão, pelo que haverá dois bombeiros entre os feridos graves.

As autoridades investigam uma fuga de gás na Rue de Trévise como a principal pista para explicar o sinistro.

A explosão destruiu montras das redondezas e vidros de janelas de habitações.

Fonte oficial da secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas disse à Lusa que o Consulado de Paris está a monitorizar a situação e não há, até ao momento, informação de portugueses entre as vítimas.

O ministro do Interior, Cristophe Castaner, e o primeiro-ministro, Édouard Philippe, dirigiram-se imediatamente para o local, onde estiveram mais de 200 bombeiros e uma centena de polícias. Também Anne Hidalgo, presidente da Câmara de Paris, esteve no local do incidente.

A cidade de Paris está hoje em alerta de segurança também devido a mais uma manifestação dos "coletes amarelos", com 5 mil polícias nas ruas da cidade. Em toda a França estão mobilizados cerca de 80 mil polícias e agentes dos serviços de segurança.

Este é o nono sábado de mobilização contra o aumento dos combustíveis, por uma taxação mais justa e contra a queda do poder de compra. A emblemática torre Eiffel estará fechada hoje, tal como uma dezena de museus em Paris, para prevenir qualquer impacto de uma possível manifestação marcada pela violência.

Estas são algumas das imagens do local da explosão que têm sido partilhado nas redes sociais:

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.