Fogem 26 menores desembarcados do Aquarius, mas 16 já foram localizados

Dispositivo de busca continua ativo e é previsível que nas próximas horas sejam recuperadas as crianças que ainda estão em fuga

Um total de 28 menores da África subsaariana, que chegaram a Espanha no navio Aquarius, fugiram esta sexta-feira de manhã do local onde foram acolhidos em Alicante, tendo 16 deles sido algumas horas depois localizados e regressado ao local.

Segundo fontes da polícia citadas pela agência Efe, os jovens com idades próximas dos 18 anos não tinham regressado esta madrugada à residência do Governo da Comunidade de Valência, onde estavam alojados desde a última segunda-feira, tendo sido montado um dispositivo de busca.

Ainda estão por localizar 12 dessas crianças, enquanto outras foram intercetadas em Alicante (Espanha) e áreas próximas.

Quatro foram encontrados pela Guardia Civil (GNR espanhola) numa estrada da localidade de El Campello e um outro grupo de menores foi encontrado pelo mesmo corpo policial junto à autoestrada A-70 nos arredores de Villafranqueza.

As fontes indicaram que o dispositivo de busca continua ativo e é previsível que, nas próximas horas, sejam recuperadas as crianças que ainda estão em fuga.

Um total de 629 migrantes socorridos pelo navio "Aquarius", da organização não-governamental SOS Mediterranée, chegaram no domingo ao porto de Valência, em Espanha, depois da Itália e Malta terem rejeitado recebê-los e depois de oito dias de travessia do Mediterrâneo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.