Feira tecnológica usada para novo embate entre Madrid e Barcelona

PP e PSOE afirmam que boicote de Ada Colau e Roger Torrent a cerimónia com o rei põe em risco continuidade de evento

Barcelona recebe desde ontem mais uma edição do Mobile World Congress (MWC), a maior feira mundial dedicada à indústria móvel, tendo a sua inauguração contado com a presença de Felipe VI e com um novo pico de tensão entre Madrid e independentistas por causa da continuidade deste evento na capital da Catalunha.

O clima de tensão começou a desenhar-se no domingo, quando o presidente do Parlament, Roger Torrent, e a presidente da Câmara de Barcelona, Ada Colau, recusaram estar presentes na cerimónia de boas-vindas ao rei, chegando mais tarde ao jantar no Palácio da Música. A alcaldesa apelidou a sua ausência como "necessária" e justificou-a com a "falta de empatia" demonstrada pelo monarca no seu discurso de 3 de outubro, no qual não teve uma palavra de apoio às vítimas da violência policial registada durante o referendo independentista, que teve lugar dois dias antes. "Creio que era necessário fazer um gesto político", afirmou Colau.

"Não é uma questão pessoal, mas sim uma reação a uma situação difícil. Na primeira vez que Felipe VI vem a Barcelona desde o referendo, era lógico que me manifestasse politicamente", prosseguiu a alcaldesa da capital da Catalunha, afirmando que o "manifestei" com respeito.

Colau e Felipe VI tiveram uma conversa em privado - na qual também esteve a vice-presidente do governo espanhol, Soraya Sáenz de Santamaría - na qual deu conta ao monarca a sua indignação, adiantando que o rei "foi muito educado" e lhe disse estar ali para "defender a Constituição e o Estatuto" de Autonomia da Catalunha.

Ontem, a partir da Tunísia, o primeiro-ministro Mariano Rajoy acusou Colau e Torrent de quererem "fazer-se notar" e de "esquecer as suas responsabilidades institucionais". Fontes do executivo disseram ao El País que "as grosserias institucionais, além de injustas e mesquinhas, põem em risco que Barcelona continue a receber no futuro um evento global de tanta importância".

A indignação com a atitude de Colau e Torrent e as possíveis consequências junto da organização da feira tecnológica também chegou ao Congresso dos Deputados, com o PP a anunciar que irá apresentar uma proposta para "defender a realização do MWC e exigir a lealdade institucional e a cooperação de todas as instituições", tal como se "censurem todas as atividades de políticos que ponham em risco acontecimentos e investimentos tão importantes para a divulgação internacional de Espanha".

Também o PSOE advertiu os líderes independentistas e Ada Colau de que "estão a brincar com o fogo" com o seu boicote ao rei, pondo em risco a continuidade do MWC em Barcelona, considerando a ausência da cerimónia com o rei "um despropósito".

Indiferente a esta polémica, John Hoffman, o CEO da GSMA e responsável máximo pela organização do congresso, garantiu ontem ao El País que tem "contrato com Barcelona até 2023".

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."