Feijóo repete maioria absoluta na Galiza. Urkullu vence no País Basco

As urnas fecharam às 20.00 (19.00 em Lisboa) nas duas regiões espanholas e já há resultados oficiais.

Com 99,88% dos votos contabilizados na Galiza, confirma-se para já uma nova maioria absoluta do presidente da Xunta, Alberto Núñez Feijóo, com o PP a conseguir novamente 41 deputados (em 75).

O En Marea (a marca do Podemos na Galiza, que se estreia nestas eleições) surge em segundo lugar, batendo o PSOE em número de votos, apesar de ambos conseguirem eleger 14 deputados. Os socialistas perdem quatro eleitos em relação a 2012.

O Bloco Nacionalista Galego surge com seis deputados, menos um do que tinha. O Ciudadanos não consegue eleger ninguém.

No País Basco, o Partido Nacionalista Basco (PNV) do lehendakari (presidente do governo) Íñigo Urkullu venceu com maioria simples, conseguindo 29 deputados (mais dois do que nas eleições de 2012), segundo os resultados oficiais com 100% dos votos contabilizados. Fica a nove da maioria absoluta.

Em segundo lugar surge o EH BIldu, com 17 deputados (perde quatro), e o Elkarrekin Podemos (Juntos Podemos) estreia-se com 11 deputados. Os socialistas ficam com nove deputados (têm 16), os mesmos do PP (que perde só um). O Ciudadanos não consegue eleger nenhum.

O PNV não precisará de pactuar com outro partido para Urkullu ser reeleito, já que o conseguirá por maioria simples na segunda volta (na primeira precisa de maioria absoluta, que consegue com outro qualquer partido no parlamento). Nas eleições para lehendakari não é possível votar contra um candidato, impedindo-se assim o bloqueio político. Mas para não governar em minoria, Urkullu precisa de chegar a acordo com outro partido, sendo que nos últimos três anos implementou um acordo de estabilidade com os socialistas.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.