Faz-se história na Arábia Saudita. Mulheres vão votar pela primeira vez

Eleições municipais realizam-se este sábado. Mulheres poderão votar e ser candidatas, apesar de continuarem sujeitas a várias proibições, como conduzir

Foi em 2005 que se realizaram pela primeira vez eleições municipais na Arábia Saudita. Há uma década, o regime monárquico e ultraconservador era liderado pelo rei Abdullah, que abriu caminho a pequenas reformas, agora implementadas pelo irmão que, há cerca de um ano, lhe sucedeu no poder. O rei Salman, de 79 anos, vai permitir - pela primeira vez no país - que as mulheres votem e se candidatem à liderança dos municípios.

Apesar do aparente progressismo, há linhas que não podem ser ultrapassadas numa monarquia ultraconservadora, mesmo que se contem já 30 mulheres na Shura, uma espécie de conselho do regime com lugar para 150 pessoas.

Assim, as mulheres que se candidatem não podem colocar fotografias nos cartazes de campanha - o mesmo se aplica aos homens - nem dirigir-se aos eleitores masculinos. "Não consigo ganhar se não falar com os homens", disse ao The New York Times Nassima al-Sadah, uma das candidatas. Duas ativistas dos direitos humanos que estavam na corrida eleitoral já foram afastadas e, sem direito a conduzir e continuando a depender da autorização masculina para todas as atividades, será difícil que as mulheres consigam realizar uma campanha de sucesso. Apesar das dificuldades, já há cerca de 900 candidatas às eleições marcadas para este sábado, dia 12 de dezembro, no total dos sete mil candidatos que procuram um lugar entre os 3100 disponíveis.

No que diz respeito aos votantes, as proporções são também desiguais: há 130 637 mulheres registadas, contra 1,35 milhões de homens que se preparam para ir às urnas.

"Alguém tem de abrir caminho", disse ao The Washington Post Karema Bokhary, uma professora de ciência com 50 anos que tem duas filhas em idade de votar - uma de 20 anos, que estuda direito, e outra de 18, que quer ir para medicina. Bokhary candidatou-se e garante que o faz pelas filhas. "Elas são testemunhas de uma nova forma de ser uma mulher saudita, que diz 'levanta-te, faz com que a tua voz seja ouvida'".

A oposição ao voto das mulheres tem sido verbalizada sobretudo pelos imãs conservadores, mas ainda assim tem sido menor e menos enraivecida do que era esperado. Com as limitações óbvias para ações de campanha, as redes sociais e os smartphones têm sido os maiores aliados das candidatas. Sem grandes ambições ou ousadias, pedem alterações na vizinhança e melhorias nas instalações: parques infantis, creches, bibliotecas públicas.

Haifa Alhababi, uma professora de arquitetura, percorre as ruas do seu bairro em Riade a tirar fotografias para colocar no Snapchat, retratando o que a incomoda, sejam as ruas esburacadas ou o lixo por reciclar nos contentores. "Este é um país jovem", diz ao Washington Post. "Pode parecer desenvolvido por causa do dinheiro do petróleo. Mas ainda está a encontrar o seu caminho. Esta eleição é outro passo - um passo de bebé - para as mulheres. Não o desvalorizem", sublinha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.