FARC: "O único prémio a que aspiramos é a paz com justiça social"

O líder das FARC, Timoleón Jiménez, conhecido como Timochenko, reagiu no Twitter à entrega do prémio Nobel da Paz ao presidente colombiano, Juan Manuel Santos.

O comandante das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), Timoleón Jiménez, conhecido como Timochenko, que assinou o acordo de paz com o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, reagiu no Twitter ao anúncio da entrega do prémio Nobel da Paz apenas para o chefe de Estado pelos seus esforços para pôr fim ao conflito de 52 anos.

"O único prémio a que aspiramos é o da paz com justiça social para a Colômbia, sem paramilitarismo, sem retaliações nem mentiras", escreveu.

O prémio surge como uma surpresa já que os colombianos votaram no referendo do último domingo, por uma margem mínima, contra o acordo de paz que foi negociado durante os últimos quatro anos em Havana.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.