Familiares de Putin usaram banco da Dinamarca para lavar dinheiro

Até ao momento o banco dinamarquês não comentou as notícias que foram publicadas no jornal em Denmark's Berlingske, em Copenhaga

Familiares do presidente russo Vladimir Putin e os serviços de informações de Moscovo usaram em 2013 o maior banco da Dinamarca, através da delegação na Estónia, para "lavarem dinheiro" noticia hoje, dia 27 de fevereiro, um jornal de Copenhaga.

O jornal Denmark's Berlingske refere que as informações sobre os movimentos de capitais tiveram como base um denunciante, cuja identidade não foi revelada, e que teve acesso a um relatório sobre as atividades dos familiares do presidente russo assim como das supostas transferências de dinheiro efetuadas pelos serviços secretos da Rússia.

De acordo com a notícia, o relatório indica que a administração do Danske Bank foi avisada pelo denunciante e que "sabia mais do que inicialmente foi apontado", em 2013, às autoridades de Copenhaga.

O jornal refere que o Danske Bank fechou vinte contas bancárias de titulares russos depois de o relatório ter sido enviado pelo denunciante à presidência do banco revelando também o envolvimento direto da delegação da instituição financeira dinamarquesa na Estónia.

A notícia publica também os detalhes do alegado esquema de transferências e as conclusões dos investigadores anticorrupção da Dinamarca.

Até ao momento o Danske Bank não comentou as notícias que foram publicadas hoje em Copenhaga.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.