Familiares de Putin usaram banco da Dinamarca para lavar dinheiro

Até ao momento o banco dinamarquês não comentou as notícias que foram publicadas no jornal em Denmark's Berlingske, em Copenhaga

Familiares do presidente russo Vladimir Putin e os serviços de informações de Moscovo usaram em 2013 o maior banco da Dinamarca, através da delegação na Estónia, para "lavarem dinheiro" noticia hoje, dia 27 de fevereiro, um jornal de Copenhaga.

O jornal Denmark's Berlingske refere que as informações sobre os movimentos de capitais tiveram como base um denunciante, cuja identidade não foi revelada, e que teve acesso a um relatório sobre as atividades dos familiares do presidente russo assim como das supostas transferências de dinheiro efetuadas pelos serviços secretos da Rússia.

De acordo com a notícia, o relatório indica que a administração do Danske Bank foi avisada pelo denunciante e que "sabia mais do que inicialmente foi apontado", em 2013, às autoridades de Copenhaga.

O jornal refere que o Danske Bank fechou vinte contas bancárias de titulares russos depois de o relatório ter sido enviado pelo denunciante à presidência do banco revelando também o envolvimento direto da delegação da instituição financeira dinamarquesa na Estónia.

A notícia publica também os detalhes do alegado esquema de transferências e as conclusões dos investigadores anticorrupção da Dinamarca.

Até ao momento o Danske Bank não comentou as notícias que foram publicadas hoje em Copenhaga.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".