Familiares de Putin usaram banco da Dinamarca para lavar dinheiro

Até ao momento o banco dinamarquês não comentou as notícias que foram publicadas no jornal em Denmark's Berlingske, em Copenhaga

Familiares do presidente russo Vladimir Putin e os serviços de informações de Moscovo usaram em 2013 o maior banco da Dinamarca, através da delegação na Estónia, para "lavarem dinheiro" noticia hoje, dia 27 de fevereiro, um jornal de Copenhaga.

O jornal Denmark's Berlingske refere que as informações sobre os movimentos de capitais tiveram como base um denunciante, cuja identidade não foi revelada, e que teve acesso a um relatório sobre as atividades dos familiares do presidente russo assim como das supostas transferências de dinheiro efetuadas pelos serviços secretos da Rússia.

De acordo com a notícia, o relatório indica que a administração do Danske Bank foi avisada pelo denunciante e que "sabia mais do que inicialmente foi apontado", em 2013, às autoridades de Copenhaga.

O jornal refere que o Danske Bank fechou vinte contas bancárias de titulares russos depois de o relatório ter sido enviado pelo denunciante à presidência do banco revelando também o envolvimento direto da delegação da instituição financeira dinamarquesa na Estónia.

A notícia publica também os detalhes do alegado esquema de transferências e as conclusões dos investigadores anticorrupção da Dinamarca.

Até ao momento o Danske Bank não comentou as notícias que foram publicadas hoje em Copenhaga.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.