Familiares das vítimas do voo MH370 vão procurar destroços em África

Associação indica que os destroços recolhidos até ao momento foram todos encontrados ao largo da costa leste de África

Familiares dos passageiros do Boeing 777 da Malaysia Airlines com o código de voo MH370 vão viajar para a Madagáscar em busca de pistas do avião que desapareceu há mais de dois anos.

Investigadores indicaram ter identificado seis peças que definitivamente ou quase de certeza pertencem ao avião que desapareceu em março de 2014, enquanto fazia a ligação entre Kuala Lumpur e Pequim, com 239 pessoas a bordo.

"Voice 370", uma associação de familiares dos passageiros, indica que os destroços recolhidos até ao momento foram todos encontrados ao largo da costa leste de África, sem que tenha havido uma busca sistemática ou organizada por parte dos investigadores.

Em setembro, as autoridades aeronáuticas moçambicanas exibiram à Lusa três peças encontradas ao largo de Moçambique, que podem estar relacionadas com o avião da Malaysia Airlines desaparecido.

Outros dois destroços, também encontrados ao largo de Moçambique, tinham sido enviados anteriormente para as autoridades malaias, que os enviaram posteriormente para análise na Austrália.

Uma sexta peça, parte de uma asa do Boeing 777, foi recuperada numa praia na Ilha da Reunião, país vizinho de Moçambique, e foi a única definitivamente ligada ao MH370.

Exclusivos

Premium

Betinho

"NBA? Havia campos que tinham baldes para os jogadores vomitarem"

Nasceu em Cabo Verde (a 2 de maio de 1985), país que deixou aos 16 anos para jogar basquetebol no Barreirense. O talento levou-o até bem perto da NBA, mas foi em Espanha, Andorra e Itália que fez carreira antes de regressar ao Benfica para "festejar no fim". Internacional português desde os Sub-20, disse adeus há seleção há apenas uns meses, para se concentrar na carreira. Tem 34 anos e quer jogar mais três ou quatro ao mais alto nível.