Tailândia. Família britânica espancada na rua

Foram pontapeados e esmurrados até ficarem inconscientes

Foram divulgadas imagens chocantes de uma família britânica a ser brutalmente espancada por um grupo de residentes, perto de um resort.

Os três membros da família - um homem na casa dos 40 anos e os seus pais, com cerca de 60 - foram esmurrados e pontapeados por vários jovens quando saíam de um bar, durante as celebrações de Ano Novo tailandês, em Hua Hin, uma cidade costeira que costuma acolher muitos visitantes europeus, conta o The Guardian.

No vídeo é possível observar a brutalidade das agressões que deixaram os idosos inconscientes no chão e o culminar do incidente com um pontapé na cara da mulher desmaiada.

Uma testemunha tentou ajudar mas foi igualmente agredida.

Segundo o jornal, a origem das agressões terá sido um pequeno embate de ombros entre o britânico e um local que de seguida o empurrou para o chão. A mãe do rapaz tentou falar com o tailandês e daí seguem-se sucessivas agressões.

A polícia prendeu três homens, com idades entre os 20 e os trinta anos, e um quarto está a monte, afirmam as autoridades locais.

"Os atacantes disseram que estavam bêbados. Não houve nenhuma quadrilha envolvida. Eles estavam simplesmente bêbados e perderam o controlo", afirmou a polícia local, que adiantou que os envolvidos da agressão aguardam julgamento em liberdade.

Os dois membros masculinos da família ficaram com ferimentos na cabeça e rosto. A mãe ficou com "um galo na cabeça que lhe provocou dores durante vários dias".

A família ainda não regressou para o Reino Unido e a embaixada britânica já lançou uma campanha de segurança para garantir que os turistas estejam atentos aos perigos que correm no estrangeiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.