Família atacada por percevejos durante voo da British Airways

Companhia pediu desculpa à família e ofereceu o bilhete de volta em classe executiva

Uma família canadiana ficou coberta de picadas de percevejos durante um voo da British Airways, entre Vancouver e Londres.

Heather Szilagyi, a filha Moly, de sete anos, e o namorado Eric Neilson, tinham como destino final a Eslováquia, mas durante a viagem até Londres aperceberam-se dos percevejos que passeavam pelos bancos do avião.

Segundo o The Guardian, o assistente de bordo foi avisado pela família, mas respondeu apenas que o avião estava cheio e por isso não havia nada que pudessem fazer. "Passámos nove horas a pensar que poderíamos ser picados", disse Heather Szilagyi à imprensa canadiana.

"Eu e a minha filha somos muitos sensíveis a picadas de insetos, e ela estava coberta delas. Eu ainda tenho uma muito infetada", contou. "Não pedimos um reembolso. Tudo o que queríamos era um avião diferente para nos certificarmos de que não havia percevejos a bordo".

A British Airways pediu entretanto desculpa à família canadiana e ofereceu-lhes a viagem de volta em classe executiva.

"Entrámos em contacto com os nossos clientes para lhes pedir desculpa e investigar o acontecimento. A British Airways opera mais de 280 mil voos por ano e os relatórios de percevejos a bordo são extremamente raros. No entanto, estamos vigilantes e a monitorizar os nossos aviões continuamente", disse a porta-voz da empresa de aviação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.