Família atacada por percevejos durante voo da British Airways

Companhia pediu desculpa à família e ofereceu o bilhete de volta em classe executiva

Uma família canadiana ficou coberta de picadas de percevejos durante um voo da British Airways, entre Vancouver e Londres.

Heather Szilagyi, a filha Moly, de sete anos, e o namorado Eric Neilson, tinham como destino final a Eslováquia, mas durante a viagem até Londres aperceberam-se dos percevejos que passeavam pelos bancos do avião.

Segundo o The Guardian, o assistente de bordo foi avisado pela família, mas respondeu apenas que o avião estava cheio e por isso não havia nada que pudessem fazer. "Passámos nove horas a pensar que poderíamos ser picados", disse Heather Szilagyi à imprensa canadiana.

"Eu e a minha filha somos muitos sensíveis a picadas de insetos, e ela estava coberta delas. Eu ainda tenho uma muito infetada", contou. "Não pedimos um reembolso. Tudo o que queríamos era um avião diferente para nos certificarmos de que não havia percevejos a bordo".

A British Airways pediu entretanto desculpa à família canadiana e ofereceu-lhes a viagem de volta em classe executiva.

"Entrámos em contacto com os nossos clientes para lhes pedir desculpa e investigar o acontecimento. A British Airways opera mais de 280 mil voos por ano e os relatórios de percevejos a bordo são extremamente raros. No entanto, estamos vigilantes e a monitorizar os nossos aviões continuamente", disse a porta-voz da empresa de aviação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.