"Falta massificar o lado positivo da integração europeia"

Bernado Pires de Lima apresenta hoje o livro O Lado B da Europa, coincidindo com o Dia da Europa.

Bernardo Pires de Lima, investigador universitário e colunista do DN, apresenta hoje, na Gulbenkian, em Lisboa, às 18.00, o seu novo livro. O Lado B da Europa é fruto de 11 meses de viagens por 28 países. O lançamento será feito no âmbito da conferência internacional "Europa e o Regresso da Política das Grandes Potências, que, entre outros, conta com oradores como o alemão Ali Aslan, da Deutsche Welle TV, e o sueco Erik Brattberg, do Carnegie Endowment. O lançamento coincide com a celebração do Dia da Europa e serve de mote à análise da situação atual da União Europeia.

Hoje - 9 de maio - assinala-se o Dia da Europa. Enquanto uns países querem sair da União Europeia, outros há que sonham entrar. Qual a palavra, se pudesse escolher uma, que melhor define o tempo que vivemos atualmente na Europa?

Ansiedade.

Passada a crise financeira, pelo menos aparentemente, passada a crise dos refugiadas, pelo menos temporariamente, qual o principal desafio da União Europeia atualmente? O populismo? A demografia? A falta de liderança no mundo? Outro?

O principal desafio da UE é manter-se minimamente coesa, com um desígnio minimamente comum capaz de dirimir os interesses antagónicos, e equipar-se com instrumentos mais robustos para enfrentar as próximas crises. Há sempre uma próxima crise.

Viajou durante 11 meses pelos 28 países da UE. Encontrou um lado B da Europa, título do seu livro, que hoje apresenta na Gulbenkian? Como o descreveria?

Como digo na introdução do livro, um lado "muito mais sujo, cru e político" do que os habituais chavões líricos que descrevem a União Europeia. Mas também lados positivos que não aparecem muito na imprensa que habitualmente lemos, assim como duas conclusões: nós, europeus, conhecemo-nos mal e reduzimos, erradamente, certas regiões na Europa a núcleos coesos e estruturados. Isso não existe.

Diz-se muito - e há muito tempo - que a UE deve estar mais próxima dos seus cidadãos. O que pensam da Europa os cidadãos nos diferentes Estados membros? O que mais preocupa uns e outros?

Não é novidade nenhuma se disser que encontrei nas mais de cem entrevistas que fiz para o livro e nas dezenas de conversas fortuitas que tive, um crescente desencanto com a benignidade da integração europeia. Sobretudo com os méritos da moeda única. Apesar disso, de forma geral, os principais estudos de opinião apontam para níveis de satisfação com a UE genericamente altos. E a verdade é que, por uma manifestação neonazi com 50 mil elementos, surge outra pró-UE com 100 mil pessoas. Só lemos é notícias sobre a primeira.

Os líderes e os decisores, em cada um dos países, têm feito alguma coisa para que essa aproximação efetivamente aconteça?

A vitória de Emmanuel Macron em França, que tive a sorte de testemunhar e analisar para este livro, é o corolário de uma receita política pró-europeia e pró-globalização com sucesso e uma tentativa de aproximar os méritos da UE das ansiedades diárias das pessoas. Eleitoralmente resultou. Mas falta massificar o lado positivo da integração europeia. O problema é que, no atual debate identitário entre Estados membros, os partidos tradicionais pró-integração estão também num dilema identitário. Veja-se Itália, onde nas últimas eleições nenhum dos principais partidos foi a votos com um discurso pró-UE. Há países que andam à procura do seu Macron, outros do seu [Viktor] Orbán. A UE está, simplificadamente, entre estes dois mundos.

Há países que andam à procura do seu Macron, outros do seu [Viktor] Orbán. A UE está, simplificadamente, entre estes dois mundos.

Os membros das novas gerações parecem ser menos nacionalistas e mais cidadãos do mundo. Isso deve-se à UE ou simplesmente à internet?

À partida, as três condições valorizadas na pertença à UE: livre circulação, liberdade política e prosperidade económica. Mas não vejo "as novas gerações" como um bloco coeso. Há sociedades na Europa com mais jovens cosmopolitas do que nacionalistas e outras com a posição inversa. Se houve lição dada pela vitória de Trump foi a da dificuldade em prever a predisposição política dentro de uma mesma geração, etnia, credo ou sexo. Vi muito radicalismo anti-UE nestas viagens, tal como vi muita ilusão sobre a UE, muita ingenuidade, muito comodismo e, também, alguns bons exemplos inesperados de compromisso com a União.

Entre os EUA de Donald Trump e a Rússia de Vladimir Putin que lugar sobra no mundo para a UE? Como se viu, no caso da Síria, resta a alguns países, isoladamente, alinhar com um ou com outro?

Penso que a tendência na UE é a das coligações de vontade. E, como referi, o desafio é sobretudo interno, o de manter um mínimo de coesão estabilizada de forma a não existir nenhum outro brexit. A política comercial, uma das poucas competências geopolíticas da UE com impacto global, está a ser bem trabalhada e não está nem refém de Trump nem de Putin. Se está a ser bem vendida nos seus méritos é outra questão. Precisamos de transformar o ângulo negativo em positivo quando falamos da UE. Cabe aos decisores políticos que acreditam nela liderar esse debate, mas há mais vida democrática além dos políticos. Ninguém, que acredita na União Europeia, deve demitir-se desse combate, sob pena de o perder por omissão. A história da Europa não costuma ser meiga para os demissionários.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Arnaldo, Rui e os tuítes

Arnaldo Matos descobriu o Twitter (ou Tuiter, como ele dizia), em 2017. Rui Rio, em 2018. A ambos o destino juntou nesta edição. Por causa da morte do primeiro, que o trouxe à nostálgica ordem do dia, e por o segundo se ter rendido à tecnologia da transmissão de ideias que são as redes sociais. A política não nasceu para as ideias simples com as redes sociais. Mas as redes sociais vieram dar uma ajuda na rapidez ao passar as mensagens. E a chegar a mais gente. E da forma desejada, sem a, por vezes incómoda, mediação jornalística. É isso mesmo que diz, e sem vergonha, note-se, uma fonte do PSD, no trabalho sobre a presença de Rui Rio no Twitter. "É uma via para dizer exatamente o que pensa e dar a opinião, sem descontextualizações." O jornalismo como descontextualização. Ou seja, os políticos que aderem às redes sociais fazem-no no mesmo pressuposto da propaganda. E têm bons exemplos a seguir, como Trump, mestre nos 280 carateres que o ajudaram a ganhar eleições. Foi o Twitter que trouxe Arnaldo Matos das trevas da extrema-esquerda para o meio mediático. Regressou como fenómeno, não apenas pelas polémicas intervenções no velho partido, o MRPP, onde promoveu rixas, expulsou camaradas por desvios de direita, mas, sobretudo, pela excelente adaptação à forma que a tecnologia do Twitter lhe proporcionava para passar a sua mensagem política dura, rápida, cruel e, sim, simplista. Para quem não quer perder muito tempo com explicações, o Twitter é ideal. Numa prosa publicada na página do partido, Luta Popular, Arnaldo Matos fazia o que sabia fazer, doutrina, sobre o assunto. Dizia que as suas publicações, batendo "todos os recordes em Portugal", se tornavam "tão virais" que já nem ele as controlava E sem nenhum recuo ou consideração sobre a origem "capitalista" desta transmissão informativa queixava-se de as mensagens não serem vistas pelos "camaradas do partido". Resumindo: "Os tuítes são pequenas peças de agitação e de propaganda políticas, que permitem aos militantes do PCTP/MRPP manter uma informação permanente sobre a vida política nacional e internacional." Dizia também que este método "fornece uma enorme quantidade de temas que armam a classe operária para a difusão de opiniões que caracterizam os seus pontos de vista de classe". Ninguém diria melhor do que um "educador" de classe, operária ou outra, e nem mesmo Jack Dorsey ou Noah Glass ou Biz Stone, ou Evan Williams, os fundadores da rede social, a saberiam defender de forma tão eficaz. E enganadora. A forma como Arnaldo Matos usava o Twitter era um pouco menos benévola do que podia parecer destas palavras. Zurziu palavras simples e fortes contra velhos ódios: contra o "putedo" da esquerda, o "monhé" António Costa, os sociais-fascistas do PCP e, até, justificando ataques terroristas como os do Bataclan em Paris. Mandava boutades que no ciberespaço se chamam posts. E, depois, os jornalistas faziam o resto, amplificando a mensagem nos órgãos de comunicação social tradicionais. Na reportagem explica-se que o objetivo dos tuítes de Rui Rio é, também, que os jornalistas "peguem" nas mensagens e as ampliem. Até porque ele tem apenas cerca de três mil seguidores - o que não é pouco, tendo em conta a fraca penetração da rede em Portugal. Rio muda quando está no Twitter. É mais contundente e certeiro. Arnaldo Matos era como sempre foi, cruel e populista. Ambos perceberam o funcionamento das redes sociais, que beneficiam os políticos, mas prejudicam a democracia. Porque incentivam ao "tribalismo", juntando quem pensa igual e silenciando quem acha diferentes. Que contribuem para a diluição das mediações que leva com ela o pensamento, a crítica, e traz consigo a ilusão da "democracia direta" que mais não é do que outra forma de totalitarismo. Estas últimas ideias são roubadas da apresentação de Pacheco Pereira na conferência sobre o perigo das fake news organizada nesta semana pela agência Lusa. Dizia ele que não devemos ter complacência com a ignorância - que é a base do espalhar de notícias falsas. Talvez os políticos devessem ser os primeiros a temê-la, à ignorância.