Falha elétrica foi provocada por trabalhador que desligou corrente

Durante mais de dois dias houve perturbações nos voos da British Airways. Chegou a falar-se que a falha elétrica fora um ciberataque

A falha elétrica que provocou um problema informático e gerou o caos nos horários dos voos da British Airways durante mais de dois dias foi provocada por alguém que trabalhava nas obras de manutenção num centro de dados da companhia aérea, segundo avança hoje o Times.

Uma investigação preliminar ao incidente, que provocou levou ao cancelamento de mais de 700 voos e afetou mais de 75 mil passageiros, conclui, segundo o jornal britânico, que este se deveu a erro humano e não a falha técnica e será nessa base que o inquérito se vai desenrolar.

Um funcionário de uma empresa de construção que fazia obras de manutenção terá desligado a fonte de energia, eliminando os sistemas informáticos da British Airways.

A companhia aérea britânica cancelou no sábado todos os voos previstos para descolar dos aeroportos londrinos de Heathrow e Gatwick devido à uma falha informática. Segundo a transportadora, houve uma "importante falha do sistema informático", a qual causou "graves alterações" nos seus voos a nível mundial.

A empresa afastou, contudo, a hipótese de se tratar de um ciberataque. "Não há nenhuma prova de que se trate de um ciberataque", disse à agência de notícias espanhola Efe um porta-voz da British Airways.

As perturbações mantiveram-se até segunda-feira, embora nesse dia a situação não fosse tão calamitosa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.