Facebook multado por falhar na privacidade

Em causa está o uso ilícito dos dados pessoais de 87 milhões de utilizadores pela Cambridge Analytica

O presidente da Comissão de Imprensa do Parlamento do Reino Unido disse esta quarta-feira que o departamento do Governo que investigou o escândalo Cambridge Analytica multou o Facebook em 565 000 euros por falhar na proteção dos dados dos utilizadores.

Damian Collins disse que o Gabinete do Comissário da Informação concluiu que a empresa Facebook "violou a lei ao não salvaguardar a informação sobre as pessoas".

O Facebook está a ser escrutinado desde que surgiram informações de que a consultora política Cambridge Analytica usou indevidamente dados de 87 milhões de contas de utilizadores da rede social Facebook para ajudar a campanha presidencial de Donald Trump nos Estados Unidos, em 2016.

Em causa estão duas violações da Lei de Proteção de Dados. Para o Gabinete, o Facebook não protegeu a informação dos seus usuários e também não foi transparente sobre a forma como estes foram recolhidos.

Elizabeth Denham, comissária de informação, diz que as multas penalizam as más condutas, mas o seu verdadeiro objetivo é promover mudanças e restaurar a confiança no sistema democrático.

Segundo o The Guardian, no primeiro trimestre de 2018, o Facebook faturou 500 000 libras (quase 565 000 euros) a cada cinco minutos. Devido ao momento das infrações, foi aplicada a multa máxima da Lei de Proteção de Dados de 1998 (565 000 euros) e não o regulamento europeu, que estabelece como limite os 20 milhões de euros.

Erin Egan, diretora de privacidade do Facebook, reconhece que a empresa "deveria ter feito mais para investigar as denúncias sobre a Cambridge Analytica e tomado providências em 2015".

Com Lusa

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.