Facebook multado por falhar na privacidade

Em causa está o uso ilícito dos dados pessoais de 87 milhões de utilizadores pela Cambridge Analytica

O presidente da Comissão de Imprensa do Parlamento do Reino Unido disse esta quarta-feira que o departamento do Governo que investigou o escândalo Cambridge Analytica multou o Facebook em 565 000 euros por falhar na proteção dos dados dos utilizadores.

Damian Collins disse que o Gabinete do Comissário da Informação concluiu que a empresa Facebook "violou a lei ao não salvaguardar a informação sobre as pessoas".

O Facebook está a ser escrutinado desde que surgiram informações de que a consultora política Cambridge Analytica usou indevidamente dados de 87 milhões de contas de utilizadores da rede social Facebook para ajudar a campanha presidencial de Donald Trump nos Estados Unidos, em 2016.

Em causa estão duas violações da Lei de Proteção de Dados. Para o Gabinete, o Facebook não protegeu a informação dos seus usuários e também não foi transparente sobre a forma como estes foram recolhidos.

Elizabeth Denham, comissária de informação, diz que as multas penalizam as más condutas, mas o seu verdadeiro objetivo é promover mudanças e restaurar a confiança no sistema democrático.

Segundo o The Guardian, no primeiro trimestre de 2018, o Facebook faturou 500 000 libras (quase 565 000 euros) a cada cinco minutos. Devido ao momento das infrações, foi aplicada a multa máxima da Lei de Proteção de Dados de 1998 (565 000 euros) e não o regulamento europeu, que estabelece como limite os 20 milhões de euros.

Erin Egan, diretora de privacidade do Facebook, reconhece que a empresa "deveria ter feito mais para investigar as denúncias sobre a Cambridge Analytica e tomado providências em 2015".

Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.