Facebook bane partido de extrema-direita promovido por Trump

O Britain First ganhou protagonismo quando o presidente norte-americano partilhou conteúdos do movimento que eram anti-islâmicos. Theresa May congratulou-se com a decisão

O Facebook anunciou esta quarta-feira que baniu o partido de extrema-direita Britain First da plataforma por violar regras no que toca ao incitamento ao ódio. O partido ficou mais conhecido do grande público, e a nível internacional, quando Donald Trump partilhou alguns tweets anti-islâmicos do movimento.

A rede social explicou ainda que também desapareceram as páginas dos líderes do partido, Paul Golding e Jayda Fransen, por violarem repetidamente as regras designadas para evitar e parar o incitamento ao ódio contra minorias.

Um pequeno partido, o British Party veio à ribalta quando Donald Trump retweetou publicações do grupo, causando grande revolta no Reino Unido e acabou por receber um reparo da própria primeira-ministra britânica Theresa May.

A remoção da página do partido de extrema-direita surge numa altura em que, além do Facebook, outras empresas como o Twitter ou a Google estão a ser pressionadas para policiar as suas plataformas, mais concretamente na prevenção de mensagens e recrutamento por parte de grupos extremistas.

Com Theresa May, os líderes italianos e franceses apelaram às redes sociais para fazer mais no objetivo de remover conteúdo extremista. A primeira-ministra britânica mostrou-se satisfeita com a decisão do Facebook e espera que "outras empresas sigam o exemplo".

A rede social de Mark Zuckerberg referiu ainda que tem sido cuidadosa para não remover publicações que fossem apenas controversas e das quais algumas pessoas não gostam, acrescentando que o Britain First violou as regras repetidamente com as publicações anti-islâmicas.

"Não fazemos isto de ânimo leve, mas eles publicaram repetidamente conteúdos criados para incitar ódio para com grupos minoritários, o que desqualifica a página do nosso serviço", afirmou o Facebook numa publicação no seu blogue, segundo a Reuters.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.