Estado Islâmico reivindica atentados em duas igrejas coptas do Egipto

Explosões nas duas igrejas coptas provocaram quase 40 mortos e 100 feridos

O grupo extremista Estado Islâmico (EL) reivindicou hoje os dois atentados no Egito em igrejas coptas, uma minoria cristã no país

"As equipas do Estado Islâmico realizaram ataques contra duas igrejas em Tanta e em Alexandria", indicou a agência de propaganda do EI, numa comunicação divulgada em redes sociais e citada por agências internacionais de notícias.

O balanço do número de vítimas mortais da primeira explosão junto a uma igreja na cidade de Tanta, a norte do Cairo, subiu para 26, havendo também 71 pessoas feridas.

Magdi Awad, chefe do serviço de ambulâncias, confirmou a informação relativa à explosão de uma bomba quando os fiéis celebravam o Domingo de Ramos.

A segunda bomba explodiu numa igreja copta em Alexandria, Egito, deixando pelo menos 11 mortos e 35 feridos, incidente que ocorreu horas depois de uma primeira explosão também numa igreja copta na cidade de Tanta.

"Uma explosão na Igreja Mar Morcos em Alexandria (...) vários feridos", indicou uma televisão do Estado.

Os cristãos copta significam cerca de 10% da população do Egito e são frequentemente alvo de ataques por parte dos extremistas islâmicos.

O papa Francisco, que visitará o Egipto a 28 e 29 de abril, condenou hoje o atentado no interior de uma igreja cristã copta na cidade egípcia de Tanta, ao norte do Cairo.

Francisco pediu que "[Deus] converta o coração das pessoas que semeiam o terror, a violência e a morte".

O papa também expressou as suas condolências às famílias das vítimas, aos feridos e aos egípcios, assegurando-lhes que estão nas suas orações, momentos antes de rezar o Angelus na praça de São Pedro, no Vaticano.

Francisco presidiu hoje a celebração litúrgica tradicional do Domingo de Ramos, dando início aos ritos da Semana Santa.

O Vaticano anunciou oficialmente três visitas de Francisco para o ano corrente.

Uma dessas visitas será a Fátima, por ocasião do centenário das "aparições" de 13 de maio de 1917. Francisco estará em território português nos próximos dias 12 e 13 de maio.

Jorge Bergoglio é esperado no Egito a 28 e 29 de abril, e na Colômbia, em setembro.

A reação da França

O presidente francês, François Hollande, manifestou hoje solidariedade com o Egipto, após o atentado no interior de uma igreja cristã copta na cidade egípcia de Tanta, norte do Cairo.

Numa declaração escrita, após o ataque de hoje, Hollande afirmou que "mais uma vez, o Egipto é atingido por terroristas que querem destruir sua unidade e diversidade".

Hollande sublinhou que a França "mobiliza todas as suas forças em articulação com as autoridades egípcias na luta contra o terrorismo" e enviou condolências às famílias das vítimas.

"Expresso o nosso profundo pesar"

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, condenou hoje os ataques à bomba em duas igrejas cristãs coptas no Egito.

"Em meu nome e do governo português, condeno aqui os ataques no Egipto e expresso o nosso profundo pesar pelas vítimas", escreveu António Costa na sua conta no Twitter.

Num comunicado, o Ministério dos Negócios Estrangeiros referiu também que "o Governo Português condena firmemente os atentados que hoje causaram a morte a mais de 20 pessoas e feriram pelo menos 70 que se encontravam reunidas para celebrar o Domingo de Ramos nas igrejas coptas de Mar Gigis, em Tanta, e de São Marcos, em Alexandria, no Egito".

Hamas condenou o ataque

"O Hamas deseja segurança, estabilidade e prosperidade para o Egito e para o seu povo", disse o porta-voz do movimento Fawzi Barhoum, descrevendo o ataque à igreja como "um crime".

O Hamas assumiu a gestão da Faixa de Gaza em 2007 depois de ter destituído forças leais ao presidente palestino Mahmoud Abbas e Israel e o Egito impuseram um bloqueio a Gaza, onde vivem cerca de dois milhões de pessoas, desde que o grupo Hamas tomou conta do território.

[Notícia em atualização]

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)