Explosão no metro de Londres: o que se sabe até agora

O mais recente atentado terrorista em Londres fez 22 vítimas

Esta sexta-feira de manhã houve uma explosão e um incêndio no interior de uma carruagem do metro de Londres, Reino Unido, que provocou 22 feridos. Incidente está a ser tratado como um atentado terrorista.

- A explosão foi provocada por um engenho explosivo artesanal. Imprensa britânica avança, citando fontes da polícia, que o engenho não explodiu por completo e tinha um temporizador.

- A primeira-ministra britânica, Theresa May, disse que a bomba tinha intenção de causar "estragos significativos".

- Engenho estava num saco de plástico com um balde dentro.

- A explosão ocorreu às 08:21 da manhã e os passageiros do metro saíram na estação de Parsons Green.

- 22 pessoas ficaram feridas, a maioria devido às chamas, e foram encaminhadas para o hospital. Oito dos feridos já receberam alta.

- Testemunhas descreveram um grande barulho e "uma bola de fogo".

- Incidente está a ser investigado pela unidade de contraterrorismo da Scotland Yard e pelos serviços de inteligência britânicos, o MI5.

- Para já, não há detidos. "Há uma caça ao homem enquanto falamos", disse esta manhã o mayor de Londres, Sadiq Khan, numa entrevista.

- A imprensa britânica afirma que a polícia identificou à tarde um suspeito do ataque.

- As ruas próximas da estação de metro de Parsons Green estão encerradas e a área foi evacuada.

- Circulação de autocarros na zona foi cortada, assim como parte do metro no sudoeste de Londres.

- Theresa May, convocou uma reunião do comité de emergência britânico. No final, garantiu que o nível de ameaça terrorista no Reino Unido não será aumentado. O Reino Unido tem um nível de ameaça terrorista "severo", o que significa que há altas probabilidades de ocorrerem atentados.

[Notícia atualizada às 16:30]

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.