Explosão no metro de Londres: jovem de 18 anos acusado de tentativa de homicídio

Ahmed Hassan foi detido no sábado passado em Dover

Ahmed Hassan, um jovem de 18 anos, foi esta sexta-feira acusado de tentativa de homicídio e de causar uma explosão com possibilidade de matar pelas autoridades britânicas, por estar envolvido no ataque no metro de Londres da semana passada, avança a imprensa britânica.

Hassan fpi detido em Dover no passado sábado, um dia após o ataque. Estaria a tentar embarcar num ferry com destino a França.

O jovem é um dos seis detidos por suspeita de envolvimento na explosão na estação de Parsons Green, dois dos quais foram entretanto libertados sem acusação.

O suspeito será presente a tribunal durante o dia de hoje.

Um dos homens, de 21 anos, que foi libertado, é da Síria e foi detido junto a um restaurante de 'fast-food' no oeste de Londres no sábado. Segundo um empregado, a mãe do homem teve um ataque cardíaco quando soube da detenção do filho.

O engenho artesanal explodiu no metro de Londres na sexta-feira da semana passada e feriu 30 pessoas.

A bomba caseira detonou parcialmente e, segundo a chefe da polícia de Londres, Cressida Dick, estava cheia de estilhaços pelo que os danos poderiam ter sido muito piores.

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) reivindicou o atentado através de um comunicado divulgado pelo seu órgão de propaganda, Amaq.

O ataque originou uma "caça ao homem" e as autoridades elevaram a ameaça terrorista nacional ao nível máximo entre sexta-feira e domingo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...