Explosão em Estrasburgo faz quatro feridos

Uma explosão num silo de cereais em Port-du-Rhin, na zona portuária de Estrasburgo, fez quatro feridos. Fogo está controlado

Pelo menos quatro pessoas ficaram feridas numa explosão num silo de cereais em Port-du-Rhin, pertencente à empresa Silostra, na zona portuária de Estrasburgo, nas margens do Reno, segundo avança a BMF TV.

O balanço inicial da Prefeitura de Bas-Rhin apontava para que 11 pessoas estivessem dentro do silo, quatro das quais ficaram feridas, três com gravidade tiveram de ser transportadas de helicóptero. As restantes estão a receber acompanhamento médico e psicológico no local.

Os bombeiros, através das redes sociais, pediram à população para evitar o local. Também as escolas irão continuar fechadas.

De acordo com a autarquia, a explosão ocorreu por volta das 09:20.

O acidente, cujas causas ainda são desconhecidas, provocou um incêndio e uma nuvem de fumo.

O incêndio foi entretanto controlado, conforme adiantou um comunicado da Prefeitura de Bas-Rhin​​​​​​.

O último ponto de situação foi feito às 16:00.

No local estão 108 bombeiros, apoiadas por 60 viaturas. O perímetro de segurança de 200 metros ao redor do silo continua ativo e as autoridades continuam a pedir para a população evitar a zona, a fim de não prejudicar as investigações.

Em atualização.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.