Explosão em Estrasburgo faz quatro feridos

Uma explosão num silo de cereais em Port-du-Rhin, na zona portuária de Estrasburgo, fez quatro feridos. Fogo está controlado

Pelo menos quatro pessoas ficaram feridas numa explosão num silo de cereais em Port-du-Rhin, pertencente à empresa Silostra, na zona portuária de Estrasburgo, nas margens do Reno, segundo avança a BMF TV.

O balanço inicial da Prefeitura de Bas-Rhin apontava para que 11 pessoas estivessem dentro do silo, quatro das quais ficaram feridas, três com gravidade tiveram de ser transportadas de helicóptero. As restantes estão a receber acompanhamento médico e psicológico no local.

Os bombeiros, através das redes sociais, pediram à população para evitar o local. Também as escolas irão continuar fechadas.

De acordo com a autarquia, a explosão ocorreu por volta das 09:20.

O acidente, cujas causas ainda são desconhecidas, provocou um incêndio e uma nuvem de fumo.

O incêndio foi entretanto controlado, conforme adiantou um comunicado da Prefeitura de Bas-Rhin​​​​​​.

O último ponto de situação foi feito às 16:00.

No local estão 108 bombeiros, apoiadas por 60 viaturas. O perímetro de segurança de 200 metros ao redor do silo continua ativo e as autoridades continuam a pedir para a população evitar a zona, a fim de não prejudicar as investigações.

Em atualização.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.