Explosão em central nuclear francesa faz cinco feridos ligeiros

Risco de contaminação radioativa já foi afastado. Explosão aconteceu na central nuclear de Flamanville, no norte de França

Uma explosão foi registada esta quinta-feira na central nuclear de Flamanville, no norte de França, avança a AFP. O Ouest France, jornal local, refere que a explosão terá acontecido na casa das máquinas da central mas fora da zona nuclear. Um responsável regional garante que há apenas cinco pessoas intoxicadas.

De acordo com as autoridades, não há risco para a população e está afastado o risco de contaminação radioativa. "Trata-se de um acontecimento técnico significativo, mas não se trata de um acidente nuclear", garantiu Olivier Marmion, diretor do gabinete do município da região administrativa da Mancha. "Cinco pessoas ficaram ligeiramente intoxicadas".

O funcionamento de um dos reatores da central foi entretanto suspenso. Um responsável de comunicação da central explicou que foi detetado fumo pelas 9:30 (menos uma hora em Portugal continental) na parte não nuclear das instalações, ao nível da "unidade de produção número 1", razão pela qual os bombeiros foram chamados a intervir. O incêndio foi circunscrito pelas 12:10 e, segundo as autoridades regionais, terá tido na origem um curto-circuito, estando descartada para já a possibilidade de mão criminosa.

A central nuclear de Flamanville situa-se no departamento da Mancha, no norte de França. Para o local deslocaram-se os serviços de emergência, tendo sido montado um posto médico avançado, segundo a imprensa, para assegurar assistência na eventualidade de existirem múltiplas vítimas.

A central nuclear é gerida pela EDF, a maior produtora e distribuidora de eletricidade em França, participada pelo Estado francês. Os reatores 1 e 2 de Flamanville foram construídos na década de 1980 e está a ser construído agora um novo reator.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.