Exército vai mandar no Rio de Janeiro até ao fim do ano

É a primeira vez, desde a ditadura militar, que as forças armadas intervêm por um período tão longo no país

Michel Temer decretou uma intervenção militar no Rio de Janeiro, para conter a onda de insegurança na cidade e no estado, a que se somam grave crise financeira e intensos temporais, até ao final do ano. Desde 1985, quando se deu a redemocratização do país e foi interrompida a ditadura militar, que o exército, chamado normalmente para casos pontuais, como a realização de grandes eventos, não tinha intervenção tão duradoura.

O decreto foi assinado ontem à tarde, em sessão solene, horas depois de uma reunião que se prolongou pela madrugada entre o presidente da República, os ministros da Defesa, Raul Jungmann, e da Justiça, Torquato Jardim, o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, e também os presidentes do Senado, Eunício de Oliveira, e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, porque a medida, uma emenda constitucional, teria de ser aprovada pelo Congresso. Jungmann e Jardim foram ainda informados da criação de um novo ministério, o da Segurança Pública, que coordenará a ação de todas as polícias, até agora sob tutela da Justiça. Será o 29º ministério do Governo Temer.

A medida surge depois de durante o Carnaval do Rio se terem registado arrastões, assaltos aos blocos de foliões, saques em supermercados e tiroteios que resultaram na morte de três agentes da polícia. Pezão admitiu que os incidentes decorreram "por falta de preparação da polícia local", daí o pedido de ajuda federal. O secretário de segurança do Rio, Roberto Sá, acabou demitido na sequência. Sem ele, é Walter Braga Neto, general das forças armadas que já havia trabalhado no Rio durante os Jogos Olímpicos de 2016, quem passa a comandar a segurança na cidade mais turística do Brasil.

Enquanto as autoridades tomavam estas medidas excecionais causou desconforto a ausência do prefeito Marcelo Crivella. O prefeito, que é bispo da Igreja Universal do Reino de Deus e sobrinho do líder daquele culto evangélico Edir Macedo, continua na Europa, onde passou o Carnaval. Segundo o próprio, negociando oficialmente com agências europeias de segurança mas, de acordo com diretores dessas mesmas companhias ouvidos pela imprensa local, em visita puramente privada.

São Paulo

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.