366 milhões ao fundo. Exercícios da NATO custam fragata à Noruega

A fatura da Noruega ter acolhido o maior exercício militar da Aliança Atlântica desde o final da Guerra Fria tornou-se muito mais avultada quando a fragata Helge Ingstad regressava ao porto e colidiu com um petroleiro. O navio de guerra está a afundar-se.

A fragata norueguesa que colidiu com um petroleiro na semana passada está quase submersa após os cabos de amarração terem esgarçado.

"O navio afundou-se mais um metro e, como resultado, dois cabos esgarçaram. Foram substituídos por dois mais fortes. Nós trabalhámos até à meia-noite. Depois percebemos que não era seguro para nossa equipa continuar o trabalho", disse Haavard Mathiesen, chefe da operação de resgate da Marinha da Noruega. "Por volta das 6.00 mais cabos esgarçaram e o navio afundou-se ainda mais. O navio está agora imóvel em águas mais profundas", concluiu o responsável em conferência de imprensa.

A fragata Helge Ingstad, de 5.000 toneladas, meteu água em grande quantidade após uma colisão com um navio petroleiro maltês Sola TS na quinta-feira no fiorde de Hjeltefjord, perto de Bergen.

O acidente causou oito feridos entre os 137 marinheiros que regressavam do exercício da NATO Trident Juncture. O petroleiro maltês Sola TS, dez vezes maior do que o navio de guerra, registou pequenos danos.

A Helge Ingstad, que faz parte da classe Fridtjof Nansen, composta por cinco fragatas, foi então levada para junto da costa para não se afundar na totalidade.

A tripulação foi forçada a abandonar o navio, que ficou parcialmente submerso.

No mesmo dia foi lançada uma operação para estabilizar o navio, com cabos amarrados à costa para estabilizar o navio. No entanto, os cabos esgarçaram no meio da noite de segunda para terça-feira e o barco afundou-se. Mantêm-se à tona apenas o topo do mastro e uma pequena parte da popa.

Construída na Galiza

A Marinha norueguesa está agora a estudar formas de levantar o navio, informou o almirante Nils Andreas Stensones. "É muito duro para uma Marinha perder um navio", disse ele. A fragata foi adquirida em conjunto com as restantes à empresa de construção naval militar espanhola Navantia. Foram construídas entre 2006 e 2011 em Ferrol, na Galiza, e receberam nomes de exploradores noruegueses.

A perda da fragata equivale a um valor de 366 milhões de euros, segundo as estimativas da Norway Today.

Causas por apurar

As causas do desastre vão ser investigadas pelas Forças Armadas. Há no entanto informações na imprensa local de que o petroleiro com pavilhão de Malta avisou por diversas vezes a fragata para mudar de rumo. E esta manteve a velocidade e a direção até se dar a colisão.

Além deste comportamento incomum, a Helge Ingstad teria o sistema de identificação automático (AIS) desligado.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.