Ex-candidato presidencial detido no regresso à Venezuela após seis anos de exílio

Manuel Rosales perdeu as eleições de 2006 para Hugo Chávez

O ex-candidato presidencial da Venezuela Manuel Rosales, que fugiu para o exílio depois de ter sido acusado de corrupção em 2009, foi preso no aeroporto de Maracaibo, capital do estado venezuelano de Zulia, quando regressava de Aruba, anunciaram as autoridades.

Rosales "foi detido por funcionários do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin) no aeroporto internacional La Chinita, quando chegou de um voo procedente de Aruba", informaram as autoridades em comunicado, sublinhando que o ex-candidato será presente a um tribunal de Caracas nas próximas horas.

Rosales, antigo governador do estado de Zulia e fundador do partido Um Novo Tempo, foi detido logo após sair do avião. No Twitter, o partido publicou imagens da alegada detenção.

A Procuradoria-Geral tinha alertado o ex-candidato que seria preso assim que voltasse ao país. Em dezembro de 2008, o Ministério Público acusou o líder opositor de enriquecimento ilícito, após uma análise às suas declarações de património de 2002 e 2004.

O ex-candidato presidencial, derrotado pelo então presidente Hugo Chávez nas eleições de 2006, tinha indicado no Twitter que pretendia regressar à Venezuela, incluindo até fotografias à entrada para o avião e em pleno voo.

"Manuel volta para dizer ao povo: procuremos a mudança", disse a presidente da câmara de Maracaibo, Eveling Trejo, mulher de Rosales, enquanto esperava no aeroporto a sua chegada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.