Ex-candidato presidencial detido no regresso à Venezuela após seis anos de exílio

Manuel Rosales perdeu as eleições de 2006 para Hugo Chávez

O ex-candidato presidencial da Venezuela Manuel Rosales, que fugiu para o exílio depois de ter sido acusado de corrupção em 2009, foi preso no aeroporto de Maracaibo, capital do estado venezuelano de Zulia, quando regressava de Aruba, anunciaram as autoridades.

Rosales "foi detido por funcionários do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin) no aeroporto internacional La Chinita, quando chegou de um voo procedente de Aruba", informaram as autoridades em comunicado, sublinhando que o ex-candidato será presente a um tribunal de Caracas nas próximas horas.

Rosales, antigo governador do estado de Zulia e fundador do partido Um Novo Tempo, foi detido logo após sair do avião. No Twitter, o partido publicou imagens da alegada detenção.

A Procuradoria-Geral tinha alertado o ex-candidato que seria preso assim que voltasse ao país. Em dezembro de 2008, o Ministério Público acusou o líder opositor de enriquecimento ilícito, após uma análise às suas declarações de património de 2002 e 2004.

O ex-candidato presidencial, derrotado pelo então presidente Hugo Chávez nas eleições de 2006, tinha indicado no Twitter que pretendia regressar à Venezuela, incluindo até fotografias à entrada para o avião e em pleno voo.

"Manuel volta para dizer ao povo: procuremos a mudança", disse a presidente da câmara de Maracaibo, Eveling Trejo, mulher de Rosales, enquanto esperava no aeroporto a sua chegada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.