Ex-soldado transexual Chelsea Manning anuncia candidatura ao Senado

Chelsea Manning vai concorrer como democrata no Maryland e enfrentar o favorito Ben Cardin

A ex-soldado transexual Chelsea Manning anunciou que vai concorrer ao Senado dos Estados Unidos, voltando ao centro das atenções depois de ter sido condenada e libertada antecipadamente pela ligação ao caso WikiLeaks.

Manning, de 30 anos, apresentou a candidatura na Comissão Eleitoral Federal com uma morada em North Bethesda, no estado de Maryland. Concorrerá como democrata e vai defrontar Bem Cardin, que é favorito.

Conhecido como Bradley Manning no momento da prisão, em 2010, o ex-analista dos serviços de informação militares, traidor para uns herói para outros, foi condenado a 35 anos de prisão pela divulgação de mais de 700 mil documentos militares e do Departamento de Estado na página Wikileaks.

Manning mudou de sexo e saiu da cadeia sem cumprir a pena depois de o então Presidente Barack Obama lhe te concedido clemência.

Em setembro tinha sido anunciado que Chelsea Manning ia ser uma das professoras visitantes na Universidade de Harvard, onde falaria sobre questões de "identidade" da comunidade homossexual e transexual nas forças armadas dos EUA.

Manning saiu em maio passado da prisão, ao fim de sete anos detido, cumprindo apenas uma quinta parte da pena graças ao perdão presidencial.

Depois de ser condenado enquanto homem, revelou que se sentia mulher, pediu que lhe começassem a chamar Chelsea, em vez de Bradley, e submeteu-se a um tratamento para mudar de sexo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.