Ex-soldado transexual Chelsea Manning anuncia candidatura ao Senado

Chelsea Manning vai concorrer como democrata no Maryland e enfrentar o favorito Ben Cardin

A ex-soldado transexual Chelsea Manning anunciou que vai concorrer ao Senado dos Estados Unidos, voltando ao centro das atenções depois de ter sido condenada e libertada antecipadamente pela ligação ao caso WikiLeaks.

Manning, de 30 anos, apresentou a candidatura na Comissão Eleitoral Federal com uma morada em North Bethesda, no estado de Maryland. Concorrerá como democrata e vai defrontar Bem Cardin, que é favorito.

Conhecido como Bradley Manning no momento da prisão, em 2010, o ex-analista dos serviços de informação militares, traidor para uns herói para outros, foi condenado a 35 anos de prisão pela divulgação de mais de 700 mil documentos militares e do Departamento de Estado na página Wikileaks.

Manning mudou de sexo e saiu da cadeia sem cumprir a pena depois de o então Presidente Barack Obama lhe te concedido clemência.

Em setembro tinha sido anunciado que Chelsea Manning ia ser uma das professoras visitantes na Universidade de Harvard, onde falaria sobre questões de "identidade" da comunidade homossexual e transexual nas forças armadas dos EUA.

Manning saiu em maio passado da prisão, ao fim de sete anos detido, cumprindo apenas uma quinta parte da pena graças ao perdão presidencial.

Depois de ser condenado enquanto homem, revelou que se sentia mulher, pediu que lhe começassem a chamar Chelsea, em vez de Bradley, e submeteu-se a um tratamento para mudar de sexo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.