Ex-presidente egípcio detido em condições preocupantes

É mantido em isolamento 23 horas por dia em condições de detenção que podem ser consideradas tortura ou tratamento cruel, desumano ou degradante

O antigo Presidente egípcio islamita Mohamed Morsi está preso em condições que não respeitam as normas internacionais e que poderão levar à sua morte prematura, refere um relatório divulgado esta quarta-feira por uma comissão britânica independente.

Após a sua destituição em 2013 pelas forças armadas dirigidas então por Abdel Fatah al-Sissi, eleito depois presidente, Morsi, 66 anos, foi condenado a um total de 45 anos de prisão pelos casos de incitação à violência contra manifestantes no final de 2012 e espionagem a favor do Qatar.

Atualmente é mantido em isolamento 23 horas por dia em condições de detenção que podem ser consideradas tortura ou tratamento cruel, desumano ou degradante, indica o relatório da comissão encarregada de investigar a situação de Morsi.

"As nossas conclusões são categóricas", afirmou o deputado Crispin Blunt, presidente da comissão, ao apresentar o relatório no parlamento britânico.

Em relação ao seu estado de saúde, a recusa de um tratamento médico básico ao qual tem direito pode levar à sua morte prematura

O antigo presidente sofre de diabetes e de insuficiência renal.

Segundo Crispin Blunt, "o conjunto da cadeia de comando até ao presidente atual" pode ser considerado "responsável" pela situação.

Citado no relatório, Abdullah Morsi, filho do ex-presidente, apela à comunidade internacional para denunciar as suas condições de detenção e pressionar "o governo egípcio para que autorize a família a visitá-lo e para que ele receba tratamento médico".

A comissão indica ter elaborado o relatório com base em "testemunhos disponíveis" e diz ter pedido, em vão, às autoridades egípcias para se encontrar com Morsi.

Primeiro Presidente egípcio democraticamente eleito e antigo membro da Irmandade Muçulmana, agora proibida, Morsi está preso desde o golpe de Estado militar de julho de 2013. Também foi condenado à pena de morte, sentença que foi anulada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?