Ex-Presidente José Eduardo dos Santos volta a dirigir reunião do MPLA

No último mês, o novo chefe de Estado e vice-presidente do MPLA, João Lourenço, procedeu a dezenas de administrações, entre órgãos do Estado e empresas públicas

O ex-chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos, voltou esta segunda-feira a presidir a uma reunião máxima do MPLA, mais de um mês depois de ter orientado a reunião ordinária do comité central, quando recebeu uma declaração de apoio.

O líder do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), partido no poder desde 1975, presidiu hoje, em Luanda, à reunião 13.ª reunião ordinária do bureau político, informou fonte partidária em nota enviada à Lusa.

Entre outros assuntos, a nota refere que foi analisado o projeto de resolução sobre a eleição de novos membros para o bureau político, tendo participado na mesma, ainda, o vice-presidente do MPLA e chefe de Estado, João Lourenço, o secretário-geral do partido, Paulo Kassoma, bem com o presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias do Santos.

Esta reunião do bureau político - organismo executivo do partido - surge após cerca de um mês de ausência de José Eduardo dos Santos de Angola, período em que, por seu turno, o novo chefe de Estado e vice-presidente do MPLA, João Lourenço, procedeu a dezenas de administrações, entre órgãos do Estado e empresas públicas.

A mais sonante destas exonerações deu-se na Sonangol, com a saída de Isabel dos Santos, que tinha sido nomeada 17 meses antes presidente do conselho de administração da petrolífera estatal angolana pelo pai e então Presidente da República, José Eduardo dos Santos.

Além disso, João Lourenço alterou entretanto chefias militares, comando da polícia e nos serviços secretos.

José Eduardo dos Santos deixou o cargo de Presidente da República de Angola a 26 de setembro, ao fim de 38 anos, na sequência das eleições gerais de agosto.

João Lourenço, também do MPLA, foi eleito o terceiro Presidente da República de Angola, mas o ex-chefe de Estado, José Eduardo dos Santos, mantém-se como presidente do partido e a 23 de outubro viu o comité central proferir uma declaração de apoio.

"Exorta os militantes, os simpatizantes e os amigos do MPLA a cerrarem fileiras em torno do MPLA e do seu Líder, o camarada presidente José Eduardo dos Santos", lê-se no comunicado final daquela que foi a primeira reunião ordinária do comité central realizada após as eleições gerais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?