Iulia Timoshenko está de volta e quer ser presidente da Ucrânia

A ex-primeira-ministra ucraniana Iulia Timoshenko anunciou esta terça-feira sua candidatura às presidenciais de 31 de março, disputando o cargo com o presidente em exercício, Petro Poroshenko, sendo a favorita na corrida, de acordo com sondagens recentes.

"Sou candidata à presidência", disse Iulia Timoshenko em Kiev, diante de centenas de pessoas numa reunião do seu partido Batkivchtchina (Pátria).

"Hoje, estamos a entrar em uma nova época de sucesso, de felicidade e de prosperidade (...). Nós começamos verdadeiramente a dar um passo à frente na Ucrânia, em direção à sua grandeza", acrescentou.

"Talvez, eu esteja às vezes errada, mas estou errada com sinceridade", disse a candidata presidencial.

Num ambiente de comemoração, centenas de pessoas estiveram reunidas, incluindo o marido e a filha da ex-primeira-ministra e empresária.

Alguns manifestantes carregavam a bandeira azul e amarela da Ucrânia e outros seguravam cartazes em que podia ler-se "Acredite na Ucrânia!", acompanhado pelo coração vermelho, símbolo do partido.

Numa transmissão de vídeo durante a reunião, o ex-presidente georgiano Mikheil Saakashvili, apoiou a sua candidatura.

"Ela é uma lutadora incansável pela Ucrânia e pelos interesses dos ucranianos", disse Mikheil Saakashvili, que já foi governador da região de Odessa e que acabou por se desentender com Petro Poroshenko e ser expulso da Ucrânia em 2018.

De acordo com as últimas sondagens, Poroshenko, que ainda não anunciou oficialmente a sua candidatura, está apenas atrás de Iulia Timoshenko, que foi candidata em 2010 e 2014.

Na segunda-feira, um primeiro candidato, o ator Volodymyr Zelensky, apresentou oficialmente a sua candidatura.

A primeira volta das eleições será realizada a 31 de março e a segunda, se for necessário, duas semanas depois.

Um dos rostos da Revolução Laranja de 2004, Timoshenko, de 58 anos, usa como imagem de marca uma trança loira enrolada em redor da cabeça.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.