Ex-mordomo de Trump investigado por apelar à morte de Obama

Trump distancia-se do antigo mordomo, que afirmou à CNN: "Preferia que [Obama] fosse enforcado à frente da Casa Branca"

O antigo mordomo de Donald Trump, Anthony Senecal, de 84 anos, atraiu a atenção dos Serviços Secretos dos Estados Unidos após fazer várias declarações ameaçadoras acerca do presidente Barack Obama.

Senecal começou por escrever uma publicação no Facebook esta quarta-feira, visível apenas para os seus amigos, na qual afirmava que Obama "deveria ter sido abatido pelo exército (...) ainda no primeiro mandato". Contactado pela CNN, Senecal confirmou a publicação e desmentiu apenas o método: "Acho que escrevi enforcado. De qualquer forma não me interessa. Enforcado, abatido - preferia que fosse enforcado à frente da Cada Branca ou, como eu lhe chamo, a mesquita branca".

As declarações de Senecal fizeram com que a campanha de Donald Trump, que foi o seu chefe durante quase 30 anos, se distanciasse dele. "Ele não é empregado do Sr. Trump, e já não trabalha para ele desde junho de 2009", disse a porta-voz de Trump, Hope Hicks, numa declaração citada pela BBC. "Condenamos veementemente estes comentários horríveis do Sr. Senecal". É agora muito provável que Donald Trump, o único candidato ainda na corrida, seja o nomeado do partido republicano para a Casa Branca.

Os Serviços Secretos anunciaram na quinta-feira, citados pelo jornal The Guardian, que estavam a acompanhar o incidente e iriam "conduzir a investigação apropriada". O Guardian ressalva que este tipo de investigação inclui habitualmente uma entrevista com a pessoa suspeita de ter ameaçado o presidente dos Estados Unidos.

Na sua publicação privada no Facebook, Senecal escrevera que o presidente "devia ter sido abatido pelo exército e alvejado enquanto inimigo do Estado ainda no primeiro mandato!!!! Em vez disso, continua no cargo a fazer tudo o que consegue para esventrar a América que todos conhecemos e amamos". No mesmo texto, Senecal apelou ao voto em Donald Trump contra a "assassina" Clinton e o "comunista" Bernie Sanders.

O jornal New York Times fez um perfil extenso da vida de Donald Trump através de uma entrevista com o seu antigo mordomo, sublinhando que este sabia tudo sobre o seu antigo chefe, desde a forma como ele gostava dos bifes até à insistência em tratar do próprio cabelo apesar de ter os serviços de um cabeleireiro em casa. Anthony Senecal trabalhou durante 30 anos para Trump na residência do magnata em Palm Beach, na Florida.