Varoufakis lança campanha de financiamento para futuro partido

Ex-ministro das Finanças da Grécia quer lançar novo partido a 26 de março, sob o lema "o regresso da 'Primavera grega'

O economista e ex-ministro das Finanças grego Yanis Varoufakis lançou hoje uma campanha de financiamento para um futuro novo partido político na Grécia, criado sob o lema "o regresso da 'Primavera grega'".

A nova força política, que será apresentada a 26 de março na Grécia, está integrada no Movimento para a Democracia na Europa 2025 (DiEM 25), que Yanis Varoufakis lançou no início de 2016.

"Chegou o momento de lançar o DiEM 25 na Grécia (...) Vai juntar-se a nós?", escreveu o economista e autor na sua conta na rede social Twitter.

"É uma força política para trazer de volta o espírito da 'Primavera grega'", afirmou.

Depois do confronto com os credores internacionais da Grécia, a União Europeia (UE) e o Fundo Monetário Internacional (FMI), como ministro da Finanças do primeiro governo do Syriza de Alexis Tsipras (janeiro e julho de 2015), Yanis Varoufakis criou o DiEM25, um movimento de esquerda pan-europeu que quer agir em prol da democracia e da transparência da UE e lutar contra o 'establishment' que governa a Europa.

Num comunicado divulgado hoje, Varoufakis convida os concidadãos a apoiarem financeiramente o futuro partido porque "ao contrário dos rivais do 'establishment', o DiEM25 rejeita qualquer financiamento proveniente de empresas e de instituições".

"Somos apenas responsáveis perante vocês e pelos princípios e ideais que partilhamos", frisou.

Na mesma nota informativa, Yanis Varoufakis indicou que entre os apoiantes do futuro partido estão a jornalista canadiana Naomi Klein, o intelectual norte-americano Noam Chomsky e o músico britânico Brian Eno.

Segundo o economista, o movimento DiEM25 tem dezenas de milhares de subscritores, especialmente na Alemanha e em França.

No passado dia 21 de janeiro, Yanis Varoufakis e Benoît Hamon, ex-candidato socialista à Presidência francesa, lançaram uma campanha com vista às eleições europeias de 2019, afirmando na altura que pretendiam constituir em toda a Europa listas que partilhassem um programa comum e que defendessem uma Europa em rutura com a austeridade.

As eleições legislativas na Grécia também estão previstas para 2019, no mês de setembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.