Ex-ministro: bancos pagaram 11,9 milhões de euros em subornos ao PT

Antonio Palloci denunciou pagamentos em troca de informações privilegiadas e até empréstimos para empresas das quais militantes do partido de Lula da Silva eram acionistas.

Um ex-ministro dos governos brasileiros liderados por Lula da Silva e Dilma Rousseff afirmou que alguns dos maiores bancos do país pagaram subornos ao Partido dos Trabalhadores (PT) em troca de favores.

Segundo uma reportagem publicada esta sexta-feira pelo jornal O Globo, que cita informações até agora sob sigilo, o ex-ministro Antonio Palloci terá dito, num depoimento à justiça, que o Bradesco, Banco do Brasil, BTG Pactual, Itaú, Safra, e Unibanco terão revertido 50 milhões de reais (11,9 milhões de euros) ao PT em troca de obter vantagens como informações privilegiadas e apoio a projetos de interesse do sistema financeiro e empréstimos para empresas das quais eram acionistas.

O antigo governante fez um acordo de colaboração premiada (comprometendo-se a confessar crimes em troca da redução da sua pena) com a Polícia Federal no ano passado, após as negociações dos seus advogados com o Ministério Público Federal (MPF) falharem.

Palocci foi ministro da Fazenda [pasta atualmente chamada de Ministério da Economia] do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva e chefe da Casa Civil na gestão de Dilma Rousseff.

À justiça brasileira, Palocci relatou supostos favorecimentos obtidos por cada instituição financeira em troca dos pagamentos ao partido, feitos por meio de doações oficiais.

O ex-ministro já foi condenado e chegou a ficar preso na Superintendência da Polícia Federal na cidade de Curitiba. Após firmar o acordo de colaboração, ele deixou a prisão para cumprir pena em prisão domiciliária, no final de novembro do ano passado.

O Globo informou que procurou todos os bancos citados pelo ex-ministro e os mesmos afirmam que ele terá criado versões sem provas para tentar obter benefícios da justiça. As instituições financeiras também dizem que todas as doações que fizeram ao PT foram declaradas legalmente.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.