Ex-espião Sergei Skripal "já não está em estado crítico"

Homem e a filha foram alvos de um ataque no início de março

O ex-espião russo Sergei Skripal já não está em estado crítico e está a responder bem aos tratamentos depois do ataque com um agente nervoso de que foi alvo no início de março em Salisbury, Inglaterra.

"Ele está a responder bem aos tratamentos, a melhorar rapidamente e não está em condição crítica" afirmou a diretora da unidade hospitalar de Salisbury, Christine Blanshard, segundo a Reuters.

Sergei Skripal, 66 anos, e a filha Yulia, de 33, foram encontrados inconscientes num banco em Salisbury a 4 de março. As autoridades britânicas confirmaram que foram envenenados por um agente nervoso militar, e tem sido afirmado por responsáveis que a responsabilidade do ataque é da Rússia, que tem negado de forma veemente essas acusações.

O incidente está a causar um caos diplomático, com várias representações diplomáticas a serem expulsas, quer no ocidente, quer na Rússia.

A televisão pública russa difundiu na quinta-feira um registo áudio apresentado como uma conversa telefónica entre Yulia Skripal e a sua prima Viktoria.

Os apresentadores do programa afirmam ter obtido este registo através de Viktoria Skripal, mas reconheceram não poder comprovar a sua autenticidade.

Na breve conversa em russo - difundida na edição do programa "60 minutos", na cadeia televisiva Rossiya 1 - a mulher apresentada como Yulia Skripal exprime-se de forma muito desenvolta, afirmando que ela e o seu pai estão em fase de recuperação e que poderá deixar o hospital em breve.

"Está tudo bem, tudo pode ser resolvido, estamos todos vivos e em restabelecimento", declara a voz apresentada como Yulia, acrescentando que o seu pai "está a preparar-se para descansar, para dormir".

"A saúde de todos é normal, não existe nada de irreversível. Tudo vai correr bem", prossegue.

Com Lusa

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...