Jean-Marie Le Pen irá a julgamento por incitação ao ódio racial

Criticou um cantor francês de origem judaica

O presidente de honra do partido francês de extrema-direita Frente Nacional (FN), Jean-Marie Le Pen, será julgado por incitação ao ódio racial, após uma declaração polémica realizada em 2014, divulgou esta terça-feira a imprensa francesa.

Jean-Marie Le Pen irá sentar-se no banco dos réus por fazer comentários e críticas ao cantor francês de origem judaica Patrick Bruel.

O patriarca da família Le Pen, de 89 anos, deverá comparecer diante do Tribunal Correcional de Paris juntamente com o vice-presidente da FN, Jean-François Jalkh, que também é o diretor da página na Internet em que as declarações de Jean-Marie Le Pen foram divulgadas.

Em 2014, Le Pen criticou num vídeo divulgado na página da Frente Nacional na Internet vários artistas que se opõem às ideias defendidas pelo partido de extrema-direita, como a cantora Madonna.

"Ouça, faremos uma fornada da próxima vez", disse o político ao citar o nome de Patrick Bruel e cujas palavras foram interpretadas como uma alusão aos fornos dos campos de extermínio nazis e que lhe valeu a reprovação da sua filha e atual líder da FN, Marine Le Pen.

O octogenário, que foi acusado em fevereiro passado depois de o Parlamento Europeu levantar a sua imunidade parlamentar, afirmou que a sua referência ao "forno" não tinha "obviamente nenhuma conotação antissemita, exceto para os inimigos políticos ou imbecis".

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.