Ex-diretor revela desvios de 10 milhões de euros em negócios da Petrobras em Angola

Segundo o testemunho, os crimes foram responsáveis por um prejuízo de mais de 500 milhões de reais (125 milhões de euros) à empresa desde 2002

O ex-diretor da área internacional da Petrobras Nestor Cerveró afirmou num depoimento à Justiça brasileira que a compra de blocos de petróleo em Angola gerou desvios equivalentes a cerca de 10 milhões de euros dos cofres da petrolífera brasileira.

As informações foram divulgadas hoje pelo jornal O Globo, que explica ter tido acesso ao conteúdo dos depoimentos dados por Cerveró ao Ministério Público numa delação premiada (acordo de cooperação com Justiça em troca de redução da pena).

Segundo o delator, os crimes na gestão da área internacional da estatal, que gerencia os negócios da Petrobras no exterior, foram responsáveis por um prejuízo de mais de 500 milhões de reais (125 milhões de euros) à empresa desde 2002.

No caso do negócio realizado entre a Petrobras e a Sonangol, empresa estatal de petróleo de Angola, os desvios de mais de 40 milhões de reais (teriam sido usados para pagar a campanha de reeleição presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva, em 2006.

O ex-diretor da Petrobras alegou que obteve essa informação de Manoel Vicente, presidente da Sonangol. As negociações do lado brasileiro teriam sido conduzidas pelo ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci.

O esquema que teria sido responsável pelo maior desvio de dinheiro na área internacional da Petrobras, porém, foi a aquisição da empresa petrolífera argentina Pérez Companc.

Cerveró contou que a aquisição rendeu cerca de 100 milhões de dólares (88 milhões de euros) em subornos pagos aos integrantes do Governo do ex-Presidente Fernando Henrique Cardoso no ano de 2002.

Ao todo, o delator citou onze políticos brasileiros como beneficiários diretos dos desvios, sendo os mais proeminentes o ex-Presidente Lula da Silva, o presidente do Senado (Câmara alta parlamentar) Renan Calheiros, o presidente afastado da Câmara dos Deputados (câmara baixa) Eduardo Cunha, o ex-senador Delcídio do Amaral e o ex-Presidente Fernando Collor de Mello.

Procurados pelo jornal, os políticos nomeados pelo delator negaram ter qualquer ligação com os desvios de dinheiro investigados pela operação Lava Jato na Petrobras.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.