Sete horas de interrogatório no Congresso e não deu nenhuma resposta

Steve Bannon foi questionado no quadro do inquérito sobre a alegada interferência russa nas presidenciais norte-americanas

Steve Bannon, antigo conselheiro do presidente Donald Trump, recusou-se a responder às questões da Comissão da Câmara dos Representantes sobre a alegada ingerência russa na campanha presidencial de 2016.

Bannon foi questionado durante sete horas pela Comissão da Câmara dos Representantes, em Washington, no quadro do inquérito sobre a suposta campanha de desinformação de Moscovo contra a candidata democrata Hillary Clinton, em 2016, e os alegados apoios de Moscovo à candidatura de Donald Trump.

Bannon, ex-conselheiro presidencial e citado no recente livro que expõem Donald Trump, invocou a "prerrogativa presidencial" porque os factos ocorreram supostamente no período de transição -- entre a eleição e a investidura -- e depois durante o período em que desempenhou funções na Casa Branca: entre janeiro e agosto de 2017.

A prerrogativa permite ao chefe de Estado e a alguns membros do executivo norte-americano evitarem a divulgação de informações ao Congresso ou mesmo perante um tribunal.

Paralelamente, de acordo com o jornal New York Times, Steve Bannon foi intimado judicialmente a comparecer perante um procurador especial responsável pelo inquérito.

A atitude de Steve Bannon foi criticada pelo presidente da Comissão do Congresso, o republicano David Nunes que acusou o ex-assessor de "obstrução".

David Nunes admite tomar iniciativas no sentido de fazer com que Bannon venha a "ser obrigado a cooperar com o Congresso".

No livro "The Fire and Fury" de Michael Wolff, o ex-conselheiro de Trump, Steve Bannon, afirma, nomeadamente, que Donald Trump Júnior, filho do presidente, cometeu um "ato de traição" quando se encontrou com um advogado russo que reclamava estar na posse de "informações comprometedoras contra Hillary Clinton".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.