Ex-colaborador do Eliseu, Alexandre Benalla, admite que "cometeu uma falha"

"Eles tentaram alcançar-me, atingir-me e foi também uma oportunidade para chegar ao Presidente da República", defende Benalla em entrevista ao "Le Monde"

Alexandre Benalla, ex-colaborador do Palácio do Eliseu, admitiu em entrevista ao jornal Le Monde que "cometeu uma falha", mas denuncia que havia "vontade de atingir" o presidente francês Emmanuel Macron.

"Sinto que fiz uma grande asneira. Cometi uma falha (...) Eu nunca deveria ter ido a essa manifestação a não ser como observador, e deveria ter ficado atrás", disse Benalla referindo-se às agressões a um manifestante no dia 1 de maio.

O caso "teve a intenção de 'apanhar' o presidente da República. Eu era o ponto mais fácil para o conseguirem. Sou o elo mais fraco", afirmou Benalla

Por outro lado, Benalla considera que o "caso" em que se encontra envolvido está a servir aqueles que pretendem atingir o presidente da república.

"Não faço nenhuma 'teoria da conspiração', esta é a realidade. Mantenho reserva sobre tudo o que se passou depois (do dia 1 de maio). Mas ele (manifestante) inicialmente tinha intenção de atingir o presidente da República. Sobre isso tenho a certeza", afirma o ex-colaborador do Palácio do Eliseu.

De acordo com Benalla, o caso que foi revelado pelo Le Monde no dia 18 de julho "teve a intenção de 'apanhar' o presidente da República. Eu era o ponto mais fácil para o conseguirem. Sou o elo mais fraco", afirmou.

"Eles tentaram alcançar-me, atingir-me e foi também uma oportunidade para chegar ao Presidente da República", acrescentou.

"As pessoas que fizeram sair as informações estão a um nível importante (...) são políticos e polícias. E não estou a pensar em Collomb (Gerard Collomb, ministro do Interior), em quem confio. Para ele eu não sou ninguém mas ele está rodeado de gente ..." disse sem especificar.

O secretário-geral do palácio do Eliseu, Alexis Kohler, principal responsável pela gestão interna da presidência francesa, negou esta quinta-feira a existência de "uma polícia paralela" ligada ao chefe de Estado

Desde a semana passada que Emmanuel Macron e o Executivo de Paris estão sob a pressão do caso conhecido como "Benallagate" tendo sido instaurados vários processos a nível judicial e policial e a nível político nas duas câmaras do Parlamento: Assembleia Nacional e Senado.

Entretanto, o secretário-geral do palácio do Eliseu, Alexis Kohler, principal responsável pela gestão interna da presidência francesa, negou esta quinta-feira a existência de "uma polícia paralela" ligada ao chefe de Estado.

Há vários dias que a oposição francesa, a propósito do "caso Benalla" se refere à existência de uma "polícia paralela" do Palácio do Eliseu.

Kholer prestou esta quinta-feira declarações perante a comissão de investigação do Senado que pretende explicações sobre o ex-responsável pela segurança Alexandre Benalla, acusado de ter agredido manifestantes fazendo passar-se por agente da polícia.

"Não existe nenhuma 'polícia paralela' no Eliseu. Não empregamos guardas privados para proteger o chefe de Estado", disse Kholer perante a comissão.

O secretário-geral do Eliseu disse também que Benalla não era "guarda-costas" de Macron e que tinha como função a ligação entre o dispositivo de segurança e o chefe de gabinete além de coordenar as viagens presidências.

Kholer considerado como "muito próximo" de Emmanuel Macron disse aos senadores entender quer "perante os factos conhecidos desde o incidente", a sanção de 15 dias sem ordenado decretada a Benalla "pode ser insuficiente".

Mesmo assim, insistiu que "com a informação disponível na altura em que se tomou a decisão (dia 2 de maio), o castigo era proporcionado".

Na quarta-feira à noite Macron disse aos jornalistas que a sanção contra Benalla, um dia depois dos factos, pareceu-lhe "proporcionada", caso contrário teria pedido ao diretor do gabinete presidencial, Patrick Strzoda, uma ação disciplinar diferente.

A comparência dos membros da equipa de Emmanuel Macron tem suscitado uma batalha política entre o partido do chefe de Estado e a oposição que se queixa de que tenha sido vetada a presença de Kholer e de outros elementos do Eliseu na Assembleia Nacional.

O secretário-geral do Eliseu e o diretor da Polícia Nacional, Eric Morvan, compareceram na Câmara Baixa graças à maioria que o partido conservador (Republicanos) tem no Senado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.