Ex-assessora acusa Trump de ser "racista" e "cão sem trela" quando Melania não está

Ex-conselheira presidencial assegurou que três fontes lhe garantiram que têm gravações em que Trump aparece a dizer a palavra "nigger" ("preto")

Uma antiga conselheira de Donald Trump acusou-o de se comportar "como um cão sem trela" nos eventos que decorrem na instância de recreio que possui em Mar-a-Lago, na Florida, quando a esposa, Melania Trump, está ausente.

Esta é apenas uma de várias denúncias escandalosas feitas por Omarosa Manigault Newman no seu novo livro, intitulado "Unhinged" ("Desvairado"), cuja saída está prevista para 14 de agosto.

Esta antiga participante da emissão televisiva "O Aprendiz", apresentada durante anos por Donald Trump, também o acusou de ser "racista, intolerante e misógino".

Ex-conselheira presidencial, encarregada do Gabinete de Relações Públicas até janeiro, Manigault Newman assegurou que três fontes lhe garantiram que têm gravações em que Trump aparece a dizer aquela que em inglês é conhecida como a "n word"várias vezes. Herdada do período esclavagista, a palavra, que pode ser traduzida como preto, tem uma conotação muito negativa e é considerada como um dos mais graves insultos raciais quando é utilizado pelos brancos.

O Washington Post adiantou que a equipa de campanha de Trump para as eleições de 2020 lhe ofereceu um emprego remunerado a 15 mil dólares mensais (13 mil euros), em troca de um contrato que a obrigava ao silêncio sobre todos os assuntos relacionados com Trump e a sua família.

Em reação, a assessora de imprensa da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, escreveu este sábado, em comunicado, que, "em vez dizer a verdade sobre todo o bem que o Presidente Trump e o seu Governo estão a fazer para tornar os EUA seguros e prósperos", Manigault-Newman fez um livro que está cheio de "mentiras e falsas acusações".

No seu texto, Sanders considerou também que "é triste que uma antiga empregada da Casa Branca amargurada esteja em vias de lucrar com estas falsas acusações e ainda pior que os media lhe sirvam, agora de porta-voz, depois de nunca a terem levado a sério quando ela só tinha coisas positivas a dizer do presidente, quando ela trabalhava para o governo".

Segundo um excerto do livro divulgado no início do mês na edição eletrónica do jornal DailyMail, Omarosa Manigault-Newman considera que Trump tem exibido "um declínio mental que não pode ser negado".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.