Ex-agente soviético também esteve reunido com Trump Jr.

Russos continuam a negar ter passado informação sobre Hillary Clinton a Trump

A controversa reunião que decorreu em junho de 2016 entre o filho de Donald Trump e a advogada russa Natalia Veselnitskaya também contou com a presença de um lobista com nacionalidade russa e norte-americana, que tem no currículo o serviço nas forças armadas soviéticas enquanto agente de contraespionagem.

Rinat Akhmetshin é cidadão dos Estados Unidos desde 2009. O homem foi descrito como um amigo de Emin Agalarov,, uma estrela pop russa que trabalha com Rob Goldstone, empresário que terá combinado o encontro. Agalarov, por sua vez, trabalhou com Donald Trump em 2013, quando este organizou um concurso Miss Universo em Moscovo.

À NBC, Veselnitskaya confirmou ter ido acompanhada à Trump Tower, mas não identificou a companhia. A advogada negou ter qualquer conexão com o Kremlin e insistiu que a reunião teve por objetivo debater sanções dos EUA contra a Rússia, não a campanha presidencial.

Segundo o New York Times, há um e-mail a provar que Donald Trump Jr. sabia do teor do encontro quando compareceu no encontro: receber material contra Hillary Clinton, a utilizar na campanha para a eleição presidencial.

À AP, o lobista Akhmetshin revelou que Veselnitskaya disse a Trump Jr. que tinha informação comprometedora sobre o financiamento ilegal dos Democratas, mas que quando o norte-americano pediu provas e a russa afirmou não ter, "pareceu perder o interesse no assunto".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.