Europa homenageia Helmut Kohl, "um verdadeiro europeu"

O caixão, coberto com a bandeira europeia e transportado por oito militares alemães, foi colocado no centro do hemiciclo para a cerimónia, sem precedente na história da UE

Duas dezenas de chefes de Estado e de governo, um antigo soberano e várias centenas de outras personalidades assistiram hoje à homenagem europeia ao antigo chanceler alemão Helmut Kohl, no hemiciclo do Parlamento Europeu, em Estrasburgo.

O caixão, coberto com a bandeira europeia e transportado por oito militares alemães, foi colocado no centro do hemiciclo para a cerimónia, sem precedente na história da União Europeia (UE).

Três coroas de flores foram colocadas junto ao caixão: uma com as cores da Alemanha, outra em nome da UE e a terceira, da mulher.

"Helmut Kohl era um verdadeiro europeu e um amigo. A Europa deve-lhe muito", afirmou na cerimónia o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

"Pai" da reunificação alemã e arquiteto do alargamento da UE, Helmut Kohl morreu a 16 de junho, aos 87 anos.

É a primeira vez que a UE organiza uma homenagem assim, em honra de um dos três dirigentes considerados "cidadãos honorários da Europa", disse Juncker.

Os outros dois são o francês Jean Monet, que morreu em 1979, e Jacques Delors, de 91 anos.

Vários dirigentes que conviveram com Kohl não puderam assistir à cerimónia por razões de saúde, entre os quais Jacques Delors, Valery Giscard d'Estaing, Jacques Chirac ou Mikhail Gorbachev.

Entre os presentes figuravam a primeira-ministra britânica, Theresa May, o presidente francês, Emmanuel Macron, a chanceler alemã, Angela Merkel, o rei emérito de Espanha Juan Carlos e o antigo primeiro-ministro espanhol Felipe González e o ex-presidente da Comissão e ex-primeiro-ministro português José Manuel Durão Barroso.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.