Reunião vai decidir conclusão do terceiro regaste da Grécia

Ministros das Finanças reúnem-se esta quinta-feira no Luxemburgo e devem tomar "decisões cruciais"

O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, considera a reunião desta quinta-feira dos ministros das Finanças da zona euro "muito importante", pois deverão ser tomadas "decisões cruciais", para a Grécia e para a área do euro como um todo.

"Celebramos hoje o 20.º aniversário do Eurogrupo, um dia muito importante para os países do euro, com uma importante agenda durante o dia para tomarmos decisões que são cruciais para o futuro da área do euro", disse Centeno, à chegada à reunião anual do Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade, ao qual também preside, que antecede o encontro do fórum de ministros da zona euro.

Relativamente à Grécia, que espera receber esta quinta-feira 'luz verde' do Eurogrupo para a conclusão do seu terceiro resgate (a concretizar-se em agosto), Mário Centeno disse estar "confiante", até porque as informações de Atenas relativamente aos compromissos assumidos pelo Governo grego no quadro da quarta e última revisão do programa de assistência são "muito positivas".

"A Grécia cumpriu todas as 88 medidas que eram pedidas nesta revisão e isso é absolutamente assinalável. Estou confiante de que vamos tomar decisões sobre o pacote da dívida grega que a tornará sustentável e permitirá à Grécia aceder aos mercados de forma sustentável e pelos seus próprios meios. Esse é um momento muito importante para a economia grega e estou confiante que hoje marca uma nova fase para a economia grega", disse.

Da mesma forma, prosseguiu, "para a área do euro hoje também marcará uma diferença sobre o que é o futuro do euro", com a preparação da cimeira de chefes de Estado e de Governo, na qual deverão ser tomadas decisões importantes relativamente à reforma da área do euro e à conclusão da União Económica e Monetária.

"Temos uma agenda difícil que foi trabalhada durante muitos meses. A ideia é reforçar os bancos e o sistema bancário e criar novas linhas de defesa para um futuro que está cheio de incertezas, mas que é construído com base em muito bons fundamentos económicos, como aqueles que vivemos hoje na área do euro", concluiu Centeno, que preside à reunião do Eurogrupo a partir das 15:00 locais (14:00 de Lisboa).

Os ministros das Finanças da zona euro reúnem-se esta quinta-feira em Luxemburgo com o objetivo de aprovar a conclusão do terceiro programa de assistência financeira à Grécia e virar assim a página da crise e dos "resgates".

Os ministros vão avaliar os progressos alcançados por Atenas na implementação das ações prévias previstas no quadro da quarta e última revisão do programa, o que lhes permitirá tomar uma decisão sobre "todos os elementos necessários" à conclusão bem-sucedida do "resgate" e à saída da Grécia do programa, prevista para 20 de agosto.

Os elementos, precisa o Eurogrupo, estão relacionados com o quadro de vigilância pós-programa, o montante da tranche final do apoio financeiro prestado pelo Mecanismo Europeu de Estabilidade e possíveis medidas de alívio da dívida grega (que atinge 178% do PIB grego).

Na reunião do Eurogrupo mais aguardada desde que Mário Centeno tomou posse (em janeiro passado) como presidente do fórum de ministros das Finanças da zona euro, haverá também lugar a um encontro alargado a 27 (já sem o Reino Unido) para preparar a cimeira de chefes de Estado e de Governo da próxima semana (29 de junho), na qual são esperadas decisões sobre a reforma da zona euro e aprofundamento da UEM.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.