Comissão Juncker diz apenas que vai "trabalhar muito bem" com eleito

"Trabalhámos muito bem com o presidente atual (Jeroen Dijsselbloem), vamos trabalhar muito bem com o próximo", afirmou porta-voz da Comissão Europeia

A Comissão Europeia escusou-se hoje a fazer comentários sobre os quatro candidatos ao cargo de presidente do Eurogrupo, entre os quais Mário Centeno, limitando-se a garantir que irá "trabalhar muito bem" com quem for eleito.

Questionado durante a conferência de imprensa diária da Comissão sobre se o presidente do executivo comunitário, Jean-Claude Juncker, tinha alguma preferência entre os quatro candidatos -- Mário Centeno, Peter Kazimir (Eslováquia), Dana Reizniece-Ozola (Letónia) e Pierre Gramegna (Luxemburgo)-, até porque o último é seu compatriota, o porta-voz Alexander Winterstein sublinhou que "se trata de uma decisão que cabe ao Eurogrupo tomar" e a Comissão nada tem a comentar.

"Trabalhámos muito bem com o presidente atual (Jeroen Dijsselbloem), vamos trabalhar muito bem com o próximo", afirmou o porta-voz.

Winterstein reconheceu que "é verdade que o presidente Juncker já foi ele próprio presidente dessa formação (2005-2013) e conhece-a extremamente bem", mas reforçou que, tal como o presidente da Comissão já sublinhou numa entrevista recente, a escolha do novo presidente "é um assunto de governos e a Comissão não interfere".

O Eurogrupo, fórum informal de ministros das Finanças da zona euro, prepara-se para eleger, na próxima segunda-feira, o terceiro presidente da história, tendo quatro ministros apresentado as suas candidaturas até ao prazo limite para o efeito, 12:00 de quinta-feira em Bruxelas.

Numa eleição por maioria simples, os 19 países da área do euro escolherão entre Centeno, Kazimir, Ozola e Gramegna como sucessor do holandês Jeroen Dijsselbloem, que em janeiro de 2013 sucedeu àquele que foi o primeiro presidente do fórum informal de ministros das Finanças da zona euro, o agora presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, que quando assumiu funções (2005) era primeiro-ministro e ministro das Finanças do Luxemburgo.

A generalidade da imprensa internacional e muitos analistas em Bruxelas apontam Centeno como o favorito, e referem que Gramegna tem contra si designadamente o facto de o Luxemburgo, um dos mais pequenos Estados-membros da União, já ter a presidência da Comissão Europeia (Juncker).

A eleição realizar-se-á na segunda-feira à tarde, naquele que será o último encontro do Eurogrupo presidido por Dijsselbloem, que deixou de ser ministro das Finanças da Holanda na sequência das eleições legislativas deste ano naquele país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".