Trump diz que Kim ama o seu povo e sugere aposta no turismo

"Em vez disso (testar mísseis), podias ter os melhores hotéis do mundo. Vê isto de uma perspetiva imobiliária", disse Trump ao líder norte-coreano

O Presidente norte-americano, Donald Trump, disse hoje que o líder norte-coreano, Kim Jong-un, "ama o seu povo", acentuando que este amor "não o surpreende".

Trump fez a declaração durante uma entrevista à Voz da América, depois da sua cimeira com Kim, menosprezando a reputação internacional de Kim de ter um dos piores registos mundiais em matéria de direitos humanos.

Os presos políticos no país ascendem a dezenas de milhares e a sua tortura e o seu assassínio são sistemáticos.

No passado, Trump falou do "horror" da vida na Coreia do Norte e reuniu-se em fevereiro com oito dissidentes na Casa Branca.

Por outro lado, Trump disse a Kim que, em vez de mísseis, podia ter "os melhores hotéis do mundo", revelou o próprio aos jornalistas.

Trump disse que os norte-coreanos "têm grandes praias". "Eu digo 'vê isso: podiam fazer-se aí grandes complexos imobiliários'. Expliquei isto" a Kim, adiantou o presidente dos EUA

"Em vez disso (testar mísseis), podias ter os melhores hotéis do mundo. Vê isto de uma perspetiva imobiliária", assegurou Trump, que diz ter sugerido isso mesmo a Kim.

O Presidente norte-americano disse ainda que realçou a Kim Jong-un as condições geográficas da Coreia do Norte, considerado o país mais isolado do mundo, por se encontrar entre a China e a Coreia do Sul, e elogiou a sua costa.

"É genial. Por exemplo, têm grandes praias. Eu digo 'vê isso: podiam fazer-se aí grandes complexos imobiliários'. Expliquei isto" a Kim, adiantou Trump, em declarações aos jornalistas, provocando o seu riso.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...