Trump diz que cimeira de Singapura "vai correr muito bem"

O chefe de Estado norte-americano acredita que a reunião com Jong-un vai ser "muito interessante"

O Presidente norte-americano, Donald Trump, disse esta segunda-feira que "as coisas vão correr muito bem" durante a cimeira com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, que se realiza na terça-feira.

"Como sabe, temos uma reunião muito interessante amanhã [terça-feira] e creio que vai correr muito bem", disse Trump no início de um almoço de trabalho com o primeiro-ministro de Singapura, Lee Hisien Loong.

De acordo com fontes da Casa Branca, a cimeira vai começar com um encontro a sós entre Donald Trump e Kim Jong-un, antes da entrada das respetivas delegações.

Trump agradeceu a Lee Hisien Loong a "hospitalidade e o profissionalismo" de Singapura.

Pouco antes do encontro com Lee Hisien Loong, o Presidente norte-americano difundiu uma mensagem através da rede social Twitter sobre o "ambiente de entusiasmo" em Singapura antes do encontro com o líder norte-coreano.

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, referiu, entretanto, que Donald Trump está "bem preparado" para a reunião com Kim Jong-un, depois de ter participado em sessões informativas durante a última semana.

"A posição dos Estados Unidos continua a ser clara. Não há mudanças", acrescenta Pompeo através de um comunicado.

"Até ao momento temos tido reuniões produtivas e detalhadas, incluindo a reunião desta segunda-feira de manhã com os norte-coreanos", diz ainda Pompeo.

O secretário de Estado referia-se ao encontro de duas horas, que decorreu esta segunda-feira em Singapura, entre as delegações dos Estados Unidos e da Coreia do Norte, destinado a preparar a agenda da cimeira.

No encontro esteve presente o embaixador dos Estados Unidos nas Filipinas, Sung Kim, especialista nas questões relacionadas com o programa nuclear norte-coreano.

A Casa Branca anunciou esta segunda-feira que a delegação que acompanha Trump inclui John Bolton, assessor para a Segurança Nacional que provocou um atrito político com Pyongyang quando declarou, em maio, que os Estados Unidos deveriam aplicar na Coreia do Norte o "modelo da Líbia", referindo-se ao acordo entre Washington e Tripoli de 2003.

Na altura, o acordo com a Líbia eliminou o programa de armamento de Tripoli em troca de incentivos económicos.

Encontram-se também em Singapura o chefe de gabinete da Casa Branca, John Kelly; a porta-voz de Trump, Sarah Huckabee Sanders; Mira Ricardel, do gabinete de John Bolton, e Matthew Pottinger, responsável pelo departamento Ásia, também do gabinete de Segurança Nacional.

A cimeira entre Donald Trump e Kim Jong-un deve começar às 09:00 de terça-feira (02:00 em Lisboa), no hotel Capella de Singapura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.