Mike Pompeo vai a Pequim abordar desenvolvimentos da cimeira

O Ministério dos negócios Estrangeiros chinês informou que Wang Yi e Mike Pompeo vão participar numa conferência de imprensa conjunta

A China anunciou esta quarta-feira que o secretário de Estado dos EUA chega amanhã a Pequim para se reunir com o homólogo chinês, a fim de abordarem os resultados da cimeira de Singapura entre os EUA e a Coreia do Norte.

O Ministério dos negócios Estrangeiros chinês informou que Wang Yi e Mike Pompeo vão participar numa conferência de imprensa conjunta, sem avançar detalhes sobre a visita, feita a convite do chefe da diplomacia chinesa.

Mike Pompeo integrou a delegação que participou terça-feira na histórica cimeira entre o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder norte-coreanao, Kim Jong-un.

O Departamento de Estado norte-americano tinha já informado que, após a cimeira, Pompeo viajaria para a Coreia do Sul e a China, com o intuito de abordar com as autoridades daqueles países a desnuclearização da península coreana e as alianças regionais.

Na declaração conjunta assinada por Trump e Kim, Pyongyang comprometeu-se a trabalhar para a completa desnuclearização e Washington a proporcionar "garantias de segurança".

"Um encontro e um documento histórico", afirmou Kim Jong-un, garantindo que "o mundo verá uma grande mudança".

Já Donald Trump assegurou que "a relação com a Coreia do Norte e a península coreana vai melhorar".

Foi o primeiro encontro entre os líderes dos dois países depois de quase 70 anos de confrontos políticos no seguimento da Guerra da Coreia e de 25 anos de tensão sobre o programa nuclear de Pyongyang.

Esta reunião ocorre depois de, em 2017, as tensões terem atingido níveis inéditos desde o fim da Guerra da Coreia (1950-53), face aos sucessivos testes nucleares de Pyongyang e à retórica beligerante de Washington.

A China é o principal aliado diplomático da Coreia do Norte.

Em março passado, Kim Jong-un visitou Pequim e encontrou-se com o Presidente chinês, Xi Jinping, na primeira visita ao estrangeiro desde que assumiu a liderança da Coreia do Norte, há mais de seis anos. Menos de dois meses depois, Kim voltou a reunir-se com Xi, na cidade chinesa portuária de Dalian, no nordeste do país, numa cimeira surpresa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.