Guterres confiante que Trump e Kim vão avançar para a paz

Espera que o presidente dos EUA e o líder norte-coreano quebrem "o perigoso ciclo que tanta preocupação causou o ano passado"

O secretário-geral da ONU, António Guterres, declarou-se hoje confiante em que a cimeira entre os líderes dos Estados Unidos e da Coreia do Norte permitirá avanços no sentido da paz e da desnuclearização da península coreana.

"O mundo está a seguir de perto o que se vai passar dentro de horas em Singapura", disse Guterres à imprensa na véspera da histórica cimeira entre Donald Trump e Kim Jong-un.

O objetivo deve continuar a ser "a paz e a desnuclearização verificável", defende Guterres

Guterres elogiou o "valor" dos dois líderes e disse esperar que eles possam "quebrar o perigoso ciclo que tanta preocupação causou o ano passado".

O objetivo, sublinhou, deve continuar a ser "a paz e a desnuclearização verificável".

"O caminho exigirá cooperação, compromisso e uma causa comum. Inevitavelmente existirão altos e baixos, momentos de desacordo e duras negociações", alertou.

Perante as potenciais dificuldades, Guterres assegurou que a ONU está pronta para apoiar o processo "de qualquer modo, incluindo a verificação, se for solicitado pelas partes-chave".

Guterres recordou que a ONU está a tentar obter 111 milhões de dólares (93,9 milhões de euros) para as necessidades imediatas de seis milhões de pessoas na Coreia do Norte

"Eles são os protagonistas", insistiu, realçando que as Nações Unidas apenas oferecem a sua ajuda e que o seu único objetivo é o êxito das negociações.

Guterres pediu, por outro lado, para que se preste atenção à situação humanitária na Coreia do Norte e recordou que a ONU está a tentar obter 111 milhões de dólares (93,9 milhões de euros) para dar resposta às necessidades imediatas de seis milhões de pessoas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.