Guterres confiante que Trump e Kim vão avançar para a paz

Espera que o presidente dos EUA e o líder norte-coreano quebrem "o perigoso ciclo que tanta preocupação causou o ano passado"

O secretário-geral da ONU, António Guterres, declarou-se hoje confiante em que a cimeira entre os líderes dos Estados Unidos e da Coreia do Norte permitirá avanços no sentido da paz e da desnuclearização da península coreana.

"O mundo está a seguir de perto o que se vai passar dentro de horas em Singapura", disse Guterres à imprensa na véspera da histórica cimeira entre Donald Trump e Kim Jong-un.

O objetivo deve continuar a ser "a paz e a desnuclearização verificável", defende Guterres

Guterres elogiou o "valor" dos dois líderes e disse esperar que eles possam "quebrar o perigoso ciclo que tanta preocupação causou o ano passado".

O objetivo, sublinhou, deve continuar a ser "a paz e a desnuclearização verificável".

"O caminho exigirá cooperação, compromisso e uma causa comum. Inevitavelmente existirão altos e baixos, momentos de desacordo e duras negociações", alertou.

Perante as potenciais dificuldades, Guterres assegurou que a ONU está pronta para apoiar o processo "de qualquer modo, incluindo a verificação, se for solicitado pelas partes-chave".

Guterres recordou que a ONU está a tentar obter 111 milhões de dólares (93,9 milhões de euros) para as necessidades imediatas de seis milhões de pessoas na Coreia do Norte

"Eles são os protagonistas", insistiu, realçando que as Nações Unidas apenas oferecem a sua ajuda e que o seu único objetivo é o êxito das negociações.

Guterres pediu, por outro lado, para que se preste atenção à situação humanitária na Coreia do Norte e recordou que a ONU está a tentar obter 111 milhões de dólares (93,9 milhões de euros) para dar resposta às necessidades imediatas de seis milhões de pessoas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".