Pyongyang fala em "exigências gananciosas" por parte dos EUA

Mike Pompeo, chefe da diplomacia norte-americana, esteve na Coreia do Norte em conversações sobre a desnuclearização do país asiático

A Coreia do Norte classificou hoje como "extremamente lamentável" a atitude dos Estados Unidos durante as conversações mantidas estes dias em Pyongyang com o chefe da diplomacia norte-americana, Mike Pompeo, sobre a desnuclearização do regime norte-coreano.

Num comunicado, citado pela agência noticiosa sul-coreana Yonhap, o Ministério dos Negócios Estrangeiros norte-coreano denunciou igualmente o que caracterizou de "exigências gananciosas" por parte de Washington.

"A atitude norte-americana e as posições assumidas durante as conversações de alto nível na sexta-feira e hoje foram extremamente lamentáveis", indicou a nota da diplomacia norte-coreana.

Após dois dias de conversações, que tinham como objetivo acordar um plano concreto de desnuclearização, Pyongyang esperava por parte de Washington "medidas construtivas para ajudar a construir confiança" após a cimeira histórica de junho passado entre os líderes dos dois países, mas a atitude dos Estados Unidos foi "unilateral e forçada", segundo o mesmo comunicado.

A posição norte-coreana contrasta com as declarações também hoje proferidas pelo secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, que considerou como "muito produtivas" as conversações mantidas estes dias sobre o programa nuclear de Pyongyang.

"São questões complexas, mas realizámos progressos em quase todas as questões centrais, em algumas fizemos muitos progressos, noutras ainda há trabalho a fazer", afirmou Pompeo, no final das conversações em Pyongyang e antes de prosseguir viagem até Tóquio, mas sem adiantar mais pormenores.

"O trabalho que nós conseguimos na via da desnuclearização completa, estabelecendo uma relação entre dois países, é vital para uma Coreia do Norte mais radiosa e para o sucesso que os nossos Presidentes exigem de nós", prosseguiu o secretário de Estado norte-americano.

No comunicado divulgado hoje, a diplomacia da Coreia do Norte referiu que o regime de Pyongyang reiterou o pedido para um desarmamento "gradual", justificando que esse seria o caminho mais rápido para conseguir a desnuclearização da península coreana, uma vez que "rompia corajosamente com os métodos fracassados do passado".

Também rejeitou as exigências apresentadas pelos Estados Unidos, que considerou "serem semelhantes às de um ladrão" e contrárias "ao espírito da cimeira" ocorrida no mês passado em Singapura entre os líderes norte-americano e norte-coreano, Donald Trump e Kim Jon-un, respetivamente.

A reunião entre Trump e Kim foi a primeira entre líderes destes dois países após quase 70 anos de confrontação iniciados com a Guerra da Coreia (1950-1953) e de 25 anos de negociações fracassadas e de tensões por causa do programa nuclear do regime de Pyongyang.

Após a passagem pela capital norte-coreana, Pompeo seguiu para Tóquio, onde terá uma reunião no domingo com os seus homólogos do Japão e da Coreia do Sul, Taro Kono e Kang Kyung-wha, respetivamente, para analisar os resultados desta deslocação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.