EUA têm capacidade para se proteger de um míssil norte-coreano

Os Estados Unidos "confiam na sua capacidade" para se protegerem de um míssil balístico norte-coreano, declarou hoje o Pentágono, após declarações do líder norte-coreano, Kim Jong-Un, sobre a iminência de um novo teste de mísseis intercontinentais.

"Estamos confiantes na nossa defesa antimíssil e na nossa defesa a partir dos nossos aliados e do nosso território nacional", declarou o porta-voz do Pentágono Peter Cook em conferência de imprensa.

Kim Jong-Un afirmou no seu discurso de Ano Novo que a Coreia do Norte estava nas "últimas etapas antes do teste de um míssil balístico intercontinental".

"Mais uma vez, apelamos à Coreia do Norte para se abster de ações de provocação", disse o porta-voz do departamento de defesa norte-americano, que não quis "aventar hipóteses" sobre o que acontecerá se Pyongyang der reais provas da sua capacidade para se dotar de mísseis nucleares intercontinentais.

Em 2016, os norte-coreanos efetuaram dois testes nucleares e lançaram vários mísseis, no âmbito do seu objetivo máximo: conseguir atingir território norte-americano com uma arma com ogivas nucleares.

Os analistas dividem-se quanto à real capacidade da Coreia do Norte para produzir uma arma nuclear, precisamente porque ela nunca conseguiu ser bem-sucedida no lançamento de um míssil balístico intercontinental.

O Presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, que assumirá o cargo a 20 de janeiro, deu a entender na segunda-feira à noite que Washington impedirá a Coreia do Norte de se dotar de um tal míssil.

"A Coreia do Norte acaba de dizer que está nas últimas fases do desenvolvimento de uma arma nuclear capaz de atingir o território norte-americano. Isso não vai acontecer!", escreveu Trump num dos seus já habituais 'tweets' noturnos.

Os esforços de Pyongyang para produzir mísseis balísticos nucleares com capacidade para atingir os Estados Unidos ou os seus aliados levaram Washington a reforçar os seus meios de defesa antimíssil na região.

Tal defesa assenta nomeadamente no sistema AEGIS, em radares muito poderosos TPY-2, e em baterias antimísseis THAAD, que os Estados Unidos se preparam para enviar para a Coreia do Sul, para desespero da China, aliada de Pyongyang.

O porta-voz escusou-se a dizer se o Pentágono preparou cenários de ações militares preventivas para impedir a Coreia do Norte de obter mísseis nucleares.

"Estamos constantemente a ajustar-nos à ameaça que a Coreia do Norte representa", explicou simplesmente.

Pyongyang "mostra desprezo pelos seus compromissos internacionais, e nós estamos a acompanhar isso de muito, muito perto", afiançou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.