Trump garante que vai assinar ordem para acabar com separação de famílias

Documento estava a ser preparado por Kirstjen Nielsen, que se deslocou à Casa Branca para conversar com a equipa presidencial. "Temos de manter as famílias juntas", disse Trump

A secretária da Segurança Nacional dos EUA, Kirstjen Nielsen, está a preparar uma proposta para apresentar ao Presidente Donald Trump para acabar com a separação de famílias na fronteira do país, avança a Associated Press.

Após a notícia ser conhecida, o Presidente dos EUA afirmou na Casa Branca que iria "assinar uma ordem executiva em breve".

"Temos de manter as famílias juntas" afirmou.

Fontes ouvidas pela AP afirmaram, inclusivamente, que Nielsen foi à Casa Branca para discutir a situação com a equipa do Presidente norte-americano.

Assim, o objetivo passará por manter as famílias juntas quando são detidas a passar a fronteira norte-americana ilegalmente.

A política "tolerância zero" de Donald Trump tem causado polémica e gerado críticas, internas e internacionais, sobre a situação. Entre meados de abril e final de maio, pelo menos duas mil crianças foram separadas dos pais.

Trump tem defendido a política e afirmou na passada terça-feira, no Twitter, que os EUA têm "sempre que prender as pessoas que entram no nosso país ilegalmente". "Das 12 mil crianças, dez mil estão a ser enviadas pelos pais numa viagem muito perigosa e só duas mil estão com os pais, muitos deles tentaram entrar no nosso país ilegalmente em várias ocasiões", acrescentou o Presidente.

As 12 mil crianças de que fala Trump é o número de menores que estão atualmente em centros de acolhimento, das quais dois mil foram separados dos pais, que por terem entrado ilegalmente no país são acusados de crimes federais e detidos em centros onde as crianças não podem estar.

Paul Ryan diz que lei da imigração vai a votos mas não dá garantias

O líder do Partido Republicano na Câmara dos Representantes, Paul Ryan, disse hoje que a lei da imigração será votada hoje, mas não deu garantias de terminar com a polémica separação dos filhos dos imigrantes ilegais.

"Por agora estamos focados em aprovar esta lei", disse Ryan aos repórteres, acrescentando que a solução negociada entre os conservadores os moderados republicanos "é um Plano B".

Nas declarações aos jornalistas, Ryan enfatizou que não concorda com a separação das crianças quando os pais são detidos por tentarem entrar ilegalmente no país.

A aprovação da lei, no entanto, continua em dúvida mesmo depois de o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se ter reunido com os republicanos esta semana sobre este tema.

Os líderes republicanos têm tentado ganhar apoio dos deputados republicanos, mas muitos acham que Trumpdevia ter mostrado mais apoio à lei que está a ser avançada pela liderança republicana.

De acordo com dados oficiais, cerca de dois mil menores imigrantes foram separados das famílias na fronteira com o México nas últimas seis semanas, devido à política de "tolerância zero" do Presidente dos EUA, Donald Trump, contra a imigração ilegal que implica tratar como criminosos os que entram no país sem documentos.Com Lusa

Notícia atualizada às 17:35 com declarações de Donald Trump

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.