EUA "preparados para qualquer eventualidade" quanto à Coreia do Norte

Qualquer ataque, incluindo "o uso de arma nuclear", terá uma "resposta rápida, esmagadora e eficaz", disse vice-presidente dos EUA

O vice-presidente norte-americano, Mike Pence, declarou hoje que os Estados Unidos estão "preparados para qualquer eventualidade" em relação à ameaça norte-coreana, sublinhando que "todas as opções estão em cima da mesa".

"Que o mundo saiba, nesta base aérea de Yokota e em todo o lado, que nós estamos preparados para qualquer eventualidade", frisou, perante os soldados reunidos na base militar norte-americana situada a cerca de 40 quilómetros de Tóquio.

"Vocês, os instrumentos do poder americano, sabem e fazem saber aos nossos adversários que todas as opções estão em cima da mesa", prosseguiu, no último dia de uma escala de três no Japão.

Qualquer ataque, incluindo "o uso de arma nuclear", terá uma "resposta rápida, esmagadora e eficaz", acrescentou o número dois da Administração Trump.

Mike Pence encontrava-se a caminho dos Jogos Olímpicos de inverno, que começam na sexta-feira na Coreia do Sul e onde encabeçará a delegação dos Estados Unidos.

As suas declarações surgem num momento em que a preparação dos Jogos Olímpicos ocasionou uma aparente aproximação entre as duas Coreias, com a Coreia do Norte a neles participar numa delegação conjunta com a vizinha Coreia do Sul.

O vice-presidente norte-americano afirmou mais uma vez, tal como fizera na véspera, ao lado do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, que Washington vai "intensificar" as pressões sobre Pyongyang para que o regime de Kim Jong-Un desista do seu programa de desenvolvimento de armas nucleares e balísticas.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.