EUA. Mais crianças foram mortas com armas de fogo do que polícias e militares em 2017

2.462 crianças morreram devido a armas de fogo, contra 144 polícias e mil militares

As mortes de crianças por armas de fogo têm aumentado significativamente nos Estados Unidos. Segundo o estudo mais recente com foco neste tema, mais crianças foram mortas por armas do que policias em serviço e militares no ativo, no ano de 2017.

"É preocupante que em 2017, 144 policias tenham morrido no cumprimento do dever e que em todo o mundo, cerca de 1.000 militares ativos tenham morrido, enquanto 2.462 crianças em idade escolar foram mortas por armas de fogo", lê-se no estudo.

A equipa de investigação, da Escola de Medicina Schmidt da Universidade Florida Atlantic, avaliou os dados mais recentes do Centro Nacional de Estatísticas de Saúde e chegou à conclusão que 38.942 crianças, com idades compreendidas entre os cinco e os dezoito anos, morreram em circunstâncias que envolveram uma arma, desde 1999 até 2017.

De acordo com o estudo American Journal of Medicine, 6.464 das crianças que morreram estavam entre os cinco e os catorze anos de idade, fazendo uma média de 340 mortes por ano. As outras 32.478 crianças tinham entre os 15 e os 18 anos de idade, o que faz uma média de 2.050 mortes de adolescentes por ano.

A primeira "epidemia", como é apelidada pelos autores, surgiu em 2009 nas crianças com idades compreendidas entre os 5 e os 15 anos, enquanto, em 2013, seguiu-se uma segunda onde ocorreu um aumento nas mortes das crianças dos 15 aos 18 anos. Ambas duraram até 2017, o ano mais recente para o qual existem dados.

A partir de 2013, as crianças negras começaram a representar grande parte das mortes, (41%) tento sofrido um aumento significativo em todas as idades.

Apenas em 2% dos casos, a causa foi indeterminada. 61% das crianças morreram num ataque, 32% suicidaram-se e 5% morreram por acidente. Em todas as idades, a causa da morte deveu-se a agressões.

Estudos anteriores comprovam que as taxas de homicídio nos EUA são seis a nove vezes maiores comparando com outros países desenvolvidos e que as armas de fogo são o segundo maior motivo da morte das crianças, depois de acidentes de automóvel.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.